Telecomunicações Oi aprova aumento de capital de 2,2 mil milhões de euros

Oi aprova aumento de capital de 2,2 mil milhões de euros

A Oi pretende aplicar o montante angariado com o aumento de capital no reforço do investimento. A operação ainda tem de ser aprovada pelos credores.
Oi aprova aumento de capital de 2,2 mil milhões de euros
Reuters
Nuno Carregueiro 19 de julho de 2017 às 21:07

O conselho de administração da Oi aprovou esta quarta-feira, 19 de Julho, um aumento de capital de 8 mil milhões de reais (2,18 mil milhões de euros), no âmbito do plano delineado pela empresa para sair do processo de recuperação judicial.

 

Num comunicado emitido ao mercado, a operadora brasileira controlada em 22% pela Oi diz que "hoje foram aprovadas as linhas gerais das propostas de alterações para o Plano de Recuperação Judicial da Oi, permitindo que a diretoria [conselho de administração] da Oi negocie com seus credores alterações nos termos protocolados na Justiça".

 

Esse plano passa por efectuar um aumento de capital de 8 mil milhões de reais (2,18 mil milhões e euros), que tem como foco "principalmente novos projectos de banda larga e cobertura de rede móvel".

 

A Oi vai agora contratar assessores legais e financeiros para viabilizar o aumento de capital, sendo que este tem ainda que ser aprovado pelos diversos órgãos sociais da empresa, com detaque para a assembleia geral de credores, que está marcada para Setembro de 2017.

 

"Vamos buscar o aumento de capital porque fortalece o balanço da companhia e permite um novo ciclo de investimento e expansão para a Oi", refere o presidente da operadora brasileira, Marco Schroeder, citado no comunicado, acrescentando que agora a "directoria executiva da Oi buscará junto aos credores o apoio necessário para viabilizar a aprovação do plano de Recuperação Judicial na assembleia prevista para Setembro".

 

O aumento de capital, cujos termos ainda não são conhecidos, provocará uma forte diluição na posição dos accionistas que não participarem no aumento de capital.

 

Palha da Silva disse em Junho, quando já se falava de um aumento de capital de 8 mil milhões de reais, que a Pharol vai avaliar se participará na operação, mas não teme ver a sua posição diluída.

 

De acordo com o Valor Econômico, o aumento de capital poderá ser dividido em duas ou três parcelas ao longo de um período de até três anos.


 




A sua opinião15
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 20.07.2017

Gosto destes comentadores... os 900 milhões foram emprestados a pedido do tio Salgado, mas os comentadores recomendam que se peça o dinheiro a quem emprestou (Bava/Granadeiro) e não a quem o recebeu.
Ou não sabem do que falam ou então, estão a tentar enganar os obrigacionistas da PT/OI?

Galo de Barcelos 20.07.2017

@O AC não vai adiante..SE os acionistas chegarem a accordo com os credores uma boa parte desse aumento sera supportado pelos novos accionistas/credores...nao se sabe ainda a fatia da empresa que fica com os credores...convem salientar que a Oi valerá muito SE ouver accordo com credores e accionistas

Anónimo 20.07.2017

O AC não vai adiante ,,,, mas e se fosse onde iria a Pharol buscar 600 M€ para acompanhar ...ou isso ou fica reduzida a nada...e se estão a pensar nos 950 M€ da Rio Forte ...esses é melhor pedirem - nos ao Bava e ao Granadeiro !!!

Tereza economista 20.07.2017

O crescimento da oi no móvel está a surpreender e para isso precisa de investir. Muito bom para uma empresa que davam como falida.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub