Telecomunicações Oi confiante que processo de recuperação esteja concluído até Setembro

Oi confiante que processo de recuperação esteja concluído até Setembro

O CEO da Oi revelou que a segunda lista de credores da operadora deve ser publicada até 15 de Maio. Por isso, acredita que a assembleia de credores seja convocada até ao final do terceiro trimestre.
Oi confiante que processo de recuperação esteja concluído até Setembro
Reuters
Sara Ribeiro 11 de maio de 2017 às 17:46

O presidente executivo da Oi, Marco Schroeder, acredita que o processo de recuperação judicial da operadora, o maior da história do Brasil, esteja concluído até Setembro.

A anterior previsão apontava para o início do terceiro trimestre. No entanto, como a publicação da segunda lista final de credores da Oi foi suspensa, o gestor gora estima que o processo esteja concluído no "final do terceiro trimestre", disse durante a conferência telefónica com analistas no âmbito da apresentação dos resultados do primeiro trimestre.

O processo de recuperação da Oi, que deu entrada no tribunal brasileiro a 20 de Junho de 2016, ainda está dependente da publicação da segunda lista de credores da Oi, que estava previsto ser publicada a 4 de Abril. No entanto, como o juiz decidiu trocar a PriceWaterhouseCoopers pela BDO Consultoria esse prazo para publicação da lista ficou suspenso.

Segundo Marco Schroeder, a nova lista deverá ser publicada até 15 de Maio. Depois de ser divulgada, os credores têm 30 dias úteis para apresentar objecções ao plano, relembrou. E só depois é que o juiz poderá convocar a assembleia de credores da Oi, que tem a Pharol (antiga PT SGPS) como maior accionista.

Questionado mais uma vez pelo risco de intervenção do Governo brasileiro na Oi, através do regulador (Anatel), o CEO da Oi voltou a sublinhar que "neste momento esse cenário não se coloca".

Marco Schroeder garantiu ainda que a administração da Oi tem estado em constante diálogo com os credores e accionistas. E apesar de neste momento não estar em cima da mesa nenhuma alteração ao plano de recuperação apresentado no final de Março, comentou que estão "a ouvir alternativas e eventual ente podemos considerar alguma alteração". No entanto, voltou a sublinhar que não há nenhuma definição nesse sentido.

"No final do processo de recuperação judicial a Oi vai sair muito mais fortalecida", concluiu o presidente executivo da Oi.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 12.05.2017

Em todo o lado há sempre uns idiotas uteis, que servem o interesse de quem os quer afinal enganar. Pessoas que provavelmente já perderam muito mas repetem o que os Administradores querem que eles digam fazem-me pena. Nem percebem que estão a ser comidos. De novo.

Anónimo 11.05.2017

Portanto o best case scenario é a empresa NÃO falir já. Isto é o MELHOR que pode acontecer à Oi. Repito porque parece que há quem não entenda: não falir já é o melhor que pode acontecer! Investir nisto? Só se eu estivesse completamente chéché.

Anónimo 11.05.2017

E o que não falta são investidores a querer colocar uma pipada de dinheiro na empresa ... Obviamente se nao vissem viabilidade na empresa estavam mas é quietos e investiam noutro negócio... Enfim. Roma e Pavia não se fizeram num dia ... Quem souber esperar será recompensado.

Pinto 11.05.2017

É mesmo o que se quer ouvir de uma empresa: recuperação judicial, assembleia de credores, intervenção do Governo. Maravilha... Receitas? Clientes? Lucros? Inovação? Crescimento? Isso interessa lá para alguma coisa. Está, definivamente, no bom caminho...a Oi vai sair muito mais fortalecida...Claro.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub