Telecomunicações Oi pode ganhar 900 milhões com alteração na lei das telecomunicações

Oi pode ganhar 900 milhões com alteração na lei das telecomunicações

A lei pressupõe a entrega de infra-estruturas detidas pelo Estado brasileiro, como linhas, torres e edifícios, a empresas privadas como a Oi em troca de compromissos de investimento em melhorias na rede.
Oi pode ganhar 900 milhões com alteração na lei das telecomunicações
Reuters
Bloomberg 07 de fevereiro de 2017 às 11:56

O projecto de mudança da Lei Geral de Telecomunicações aumentaria em cerca de 3 mil milhões de reais (894 milhões de euros) o valor da frágil operadora de telecomunicações Oi, segundo a estimativa apresentada pela assessora financeira ao conselho de administração da companhia.

 

Se a Oi fechar o acordo para sair da recuperação judicial, o valor da empresa seria de cerca de 29 mil milhões de reais (8,6 mil milhões de euros), assumindo que o projecto se torne lei e considerando um gasto de capital de cerca de 2,6 mil milhões de reais (774 milhões) em 2017, refere um documento obtido pela Bloomberg que a Laplace Finanças enviou ao conselho da Oi.

 

O projecto de lei é potencialmente positivo para a Oi, atolada há meses num processo de recuperação judicial enquanto negocia com credores a reestruturação de 65 mil milhões de reais (19,4 mil milhões de euros) em dívidas. A lei pressupõe a entrega de infra-estruturas detidas pelo Estado brasileiro, como linhas, torres e edifícios, a empresas privadas como a Oi em troca de compromissos de investimento em melhorias na rede.

 

O projecto de lei foi aprovado pela Câmara dos Deputados e por uma comissão do Senado e agora está envolvido numa discussão legal sobre se precisa obter aprovação do Plenário do Senado antes de ser sancionado pelo presidente Michel Temer.

 

Duas sugestões

 

A Laplace também apresentou duas sugestões para melhorar o plano de reestruturação apresentado pela Oi em Setembro, que foi criticado pelos credores. Um deles permitiria que os detentores de títulos trocassem dívidas por uma participação imediata de até 60% na companhia. O outro trocaria os títulos por 32% em acções e 2,8 mil milhões de reais (834 milhões de euros) em novos títulos, segundo o documento de 26 páginas, intitulado "Avaliação de Possíveis Ajustes ao PRJ", com data de 1 de Fevereiro. Segundo as propostas, os detentores de títulos também receberiam entre 3,6 e 3,9 mil milhões de reais (1.072 e 1.162 milhões de euros) em títulos de dívida.

 

A proposta de Setembro teria dado aos credores títulos convertíveis que poderiam ser transformados numa participação de até 85% na companhia - mas só depois de três anos, se até lá a Oi não reembolsasse a dívida.

 

"Tais estudos representam uma avaliação preliminar e contêm possibilidades estratégicas de composição entre os vários credores da Companhia, accionistas e demais stakeholders", informou a Oi em comunicado, na noite de sexta-feira. "A sua divulgação, sem que tenha havido qualquer decisão do Conselho de Administração, atentaria contra os interesses dos accionistas, credores e demais stakeholders, e poderia induzi-los a erro."

 

O conselho não tomou uma decisão final a respeito de nenhuma das propostas na semana passada, apesar de os membros terem concordado em intensificar as discussões com os credores, segundo o comunicado. É possível que os termos da proposta de reestruturação da companhia sejam diferentes dos apresentados pela Laplace. Mas as propostas dão uma ideia das opções consideradas numa altura em que a Oi procura fechar um acordo com os credores.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado snpj Há 2 semanas

Tem sido uma agradável surpresa.

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Parece mesmo que a Oi era sustentada pelo PT, foi só o PT sair do poder a OI entrou em falência.

Anónimo Há 2 semanas

Se é um dos lesados adira ao grupo no facebook "Lesados PT/Oi". Juntos somos mais fortes.

gatogato Há 2 semanas

Pode ser uma boa notícia para uns, mas é mais uma trafulhice do estado brasileiro. Seja Dilma ou Lula ou seja Temer, todos vão para lá para fazer negociatas de muitos milhões. À descarada!

snpj Há 2 semanas

Tem sido uma agradável surpresa.

ver mais comentários
pub