Empresas Oitante fechou 2015 com prejuízo de190 mil euros

Oitante fechou 2015 com prejuízo de190 mil euros

A Oitante, para a qual foi transferida a actividade bancária com que o Totta não ficou na resolução do Banif, fechou 2015 com um resultado líquido negativo de 190 mil euros, embora o resultado reflicta apenas 11 dias de actividade.
Oitante fechou 2015 com prejuízo de190 mil euros
Carolina Cravinho
Lusa 14 de julho de 2017 às 20:03

A demonstração de resultados "reflecte o enquadramento específico da Oitante, não apenas pelo facto de corresponder a apenas 11 dias de actividade, mas também atendendo às particulares características da Oitante no momento seguinte à resolução", é dito no relatório e contas de 2015 da sociedade-veículo, documento hoje disponibilizado na página da Oitante na internet.

 

A sociedade-veículo Oitante foi criada pelo Banco de Portugal em Dezembro de 2015, no âmbito da resolução do Banif, tendo sido para aí transferidos os activos que o Santander Totta não comprou.

 

O resultado negativo de 2015 integra proveitos de um milhão de euros, com prestação de serviços ao Santander, e gastos operacionais de 870 mil euros, maioritariamente com custos com pessoal, e juros e gastos similares suportados em resultado das obrigações emitidas no montante de 528 mil euros.

 

Os dados em análise referem-se ao período entre 20 a 31 de Dezembro de 2015, e no último dia desse ano a Oitante contava com 449 colaboradores. 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 15.07.2017

Sou obrigado a pagar através de comissões, contribuições e impostos o nível de vida passado, actual e futuro de 2200 assalariados da CGD que não são lá precisos para nada. O sindicato deles, o Sindicato Bancário do Sul e Ilhas (SBSI), já analisou os termos oferecidos pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) no programa de “Revogações por Mútuo Acordo”, divulgado na última semana de Junho aos trabalhadores do grupo público. E a sentença é negativa: “As condições propostas aos trabalhadores ficam aquém das expectativas.” E agora pergunto eu, quem regula e supervisiona estas criaturas? As do escândalo CGD e de outros escândalos semelhantes. Há muitos casos destes nas organizações portuguesas. Tem sido o pão nosso de cada dia. 190 mil euros mais os outros milhões derretidos no BANIF são peanuts comparados com os custos da própria CGD.

Pierre Ghost 15.07.2017

...então os vermes xuxas não comentam esta noticia ?????
Pois ....esta é das más e não convem comentar !!!!

Pierre Ghost 14.07.2017

500 colaboradores ????? A fazer o que???
Mais un negocio xuxa !!!!! Toca a mamar !!!!
O ex-Banif ja esta a dar lucro ao Santander...e a Octante....a dar prejuizo....ganda bosta .....

pub
pub
pub
pub