Bolsa OPA do BPI termina esta terça-feira

OPA do BPI termina esta terça-feira

Os investidores podem dar ordens de venda na oferta lançada pelo banco catalão sobre o BPI até às 15h30.
OPA do BPI termina esta terça-feira
Patrícia Abreu 06 de fevereiro de 2017 às 21:34
É a última chamada para a oferta pública de aquisição (OPA) do CaixaBank sobre o BPI. Os accionistas do banco português têm até esta terça-feira, 7 de Fevereiro, para dar ordens na OPA. Quem quiser vender os seus títulos na operação poderá fazê-lo até às 15h30.

O banco catalão oferece uma contrapartida de 1,134 euros por cada acção do BPI, um valor que está 2,5% acima da cotação de fecho dos títulos na última sessão (1,106 euros). Apesar do montante oferecido na OPA estar praticamente em linha com o valor a que negoceiam as acções, os analistas acreditam que a oferta será bem sucedida e recomendam a venda na OPA.

Tendo nas mãos já 45,5% do capital do BPI, os espanhóis apenas precisam de conseguir mais cerca de 5% do capital na operação, para garantirem o controlo da instituição liderada por Fernando Ulrich. "A oferta de aquisição do CaixaBank deverá ser concluída com sucesso", defendeu o CaixaBI num comentário divulgado no início desta semana.

Os investidores que decidirem não vender na OPA poderão manter as suas acções no banco. Mas, embora os catalães tenham adiantado que vão manter o banco cotado na Euronext Lisbon, os accionistas, dizem os especialistas, podem ficar presos a um título sem liquidez e maior volatilidade. "A melhor opção é a venda dos títulos do BPI na OPA, uma vez que o resultado será um título em bolsa com menos dispersão e eventualmente mais volatilidade", argumentou Pedro Lino, administrador da Dif Broker. Os resultados da oferta serão conhecidos numa sessão especial de bolsa esta quarta-feira, 8 de Fevereiro.

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub