Empresas OPA de 47 mil milhões pode criar líder mundial no tabaco

OPA de 47 mil milhões pode criar líder mundial no tabaco

A British American Tobacco lançou uma oferta de 47 mil milhões de dólares para passar a controlar a Reynolds numa operação que pode juntar as marcas Lucky Strike e Camel.
OPA de 47 mil milhões pode criar líder mundial no tabaco
Nuno Carregueiro 21 de Outubro de 2016 às 08:59

Está à vista mais um movimento de consolidação na indústria mundial do tabaco, que enfrenta desafios devido à queda do consumo.

 

A British American Tobacco lançou uma oferta pública de aquisição (OPA) de 47 mil milhões de dólares para comprar os 58% que ainda não detém na Reynolds. A companhia britânica oferece 56,50 dólares por acção, sendo 24,13 dólares em dinheiro mais 0,5502 acções da BAT.

 

A BAT já controla 42% da Reynolds há mais de uma década, mas diz que esta proposta de compra não foi discutida previamente com a administração da companhia norte-americana.

 

A acontecer, a fusão representa um "progresso lógico nas nossas relações e oferece a todos os accionistas uma posição numa companhia mais forte e mais global no sector do tabaco e produtos da próxima geração", refere o CEO da BAT, Nico Durante, num comunicado citado pela Bloomberg.

 

De acordo com a agência de notícias, se a fusão avançar será criada uma empresa que passará a liderar o mercado mundial de tabaco, ficando à frente da Philip Morris. Esta gigante mundial agrupará marcas como a Lucky Strike (da BAT) e a Camel (da Reynolds).

 

Esta união segue a tendência de consolidação que tem ocorrido na indústria do tabaco, para enfrentar a queda do consumo.  No ano passado a BAT comprou a brasileira Souza Cruz e a Reynolds adquiriu a Lorillard.  




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub