Turismo & Lazer Operação chinesa contra casinos abana sector

Operação chinesa contra casinos abana sector

Depois de 18 trabalhadores da Crown Resorts terem sido detidos na China, o sector do jogo instalado no país está preocupado com o futuro. As acções dos principais operadores estão em queda.
Operação chinesa contra casinos abana sector
Bloomberg
Negócios 17 de Outubro de 2016 às 09:26

As acções da Crown Resorts, empresa dedicada ao jogo e "resorts" controlada pelo magnata James Packer, caíram mais de 10% esta segunda-feira, 17 de Outubro, após 18 dos seus funcionários terem sido detidos pelas autoridades chinesas.

O cenário está a também a prejudicar as empresas rivais, escreve o Financial Times, com as acções da Star Entertainment e da Sky City Entertainment a cair cerca de 5% na bolsa australiana. Em causa está a preocupação dos investidores de que esta acção de Pequim venha prejudicar os lucros dos operadores de casinos estrangeiros.


As detenções, que incluem três executivos seniores da Crown Resorts, estarão ligadas a uma campanha anticorrupção lançada pela China no ano passado contra os casinos estrangeiros que infringem a legislação do país, incentivando jogadores chineses a apostar fora do país.


A Crown Resorts já informou que está a trabalhar com a diplomacia australiana para entrar em contacto com os seus funcionários e confirmar em que estado se encontram. A empresa ainda não conseguiu falar com os 18 funcionários em causa e perceber o motivo da sua detenção.


O Financial Times concretiza que estas detenções vão aumentar as preocupações dos operadores de casinos em operar na China, onde é proibido publicitar jogo para os cidadãos daquele país. Contudo, alguns têm optado por promover os seus serviços de "resort" e turísticos onde os casinos estão localizados.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub