Telecomunicações Operadora Nowo tem dívida de 2 milhões ao cinema e audiovisual

Operadora Nowo tem dívida de 2 milhões ao cinema e audiovisual

A operadora de telecomunicações Nowo, antiga Cabovisão, tem uma dívida de dois milhões de euros ao sector do cinema e audiovisual, por incumprimento de uma taxa desde 2013, e o caso está em tribunal.
Operadora Nowo tem dívida de 2 milhões ao cinema e audiovisual
Lusa 11 de julho de 2017 às 12:50

Contactado pela agência Lusa, a direcção do Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA) explicou que a Cabovisão - que mudou de nome para Nowo - "não procede ao pagamento da taxa de subscrição anual" desde 2013; uma taxa que está prevista na lei e que abrange todos os operadores de serviços de televisão por subscrição.

 

"Estão, neste momento, a decorrer acções no Tribunal Administrativo e Fiscal de Almada, correspondentes aos montantes em dívida em cada um dos anos", refere o ICA, sem adiantar mais pormenores.

 

Segundo o relatório de contas do ICA de 2016, a dívida totaliza cerca de dois milhões de euros, referentes ao período 2012-2015.

 

Em comunicado enviado à Lusa, a Nowo admitiu que "está a disputar a 'taxa' anual do ICA nos tribunais tributários" por considerar que aquela é "ilegal", e que apresentou garantias bancárias num valor de dois milhões de euros.

 

"A Nowo entende que esta taxa não está em conformidade legal e inclusivamente viola princípios fundamentais da Constituição da República Portuguesa, bem como do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia".

 

O incumprimento legal da Nowo foi denunciado na semana passada pela ex-directora do ICA, Filomena Serras Pereira, em audiência parlamentar pedida pelo Bloco de Esquerda.

 

Segundo a antiga responsável do ICA, a Nowo "nunca pagou um tostão" para financiar o sector do cinema e audiovisual, e a dívida daquela operadora decorre de uma falha na lei do cinema e audiovisual, tendo apelado ao parlamento para que a corrija.

 

"A lei é boa, terá de levar alguns ajustes. Tem de ser alterada na parte das obrigações das operadoras, porque não há carácter sancionatório e fiscalizador para que cumpram as obrigações. Isso cabe ao poder legislativo", disse.

 

Em causa está uma obrigação dos operadores de televisão por subscrição, como a NOS, a Meo, a Vodafone e a Nowo, de pagarem uma taxa anual de modo o diversificar as fontes de financiamento de produções cinematográficas e televisivas, incluindo mais agentes do sector.

 

Em 2016, a Cabovisão reformulou a marca e oferta na área das telecomunicações, com o objectivo de atingir os dez por cento de quota de mercado, e duplicar o número de clientes até cerca de 500 mil em dois anos.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 11.07.2017

Se eles não pagarem a Altice que pague... são os mesmos donos...

Camponio da beira 11.07.2017

O estado é tão potente com os fracos: A mim penhoraram-me uma carrinha, numa altura em que uma multa de transito tinha precrito.Ao meu sogro tiraram-lhe 2.000 euros de uma conta, por causa de uma divida que 5 dias antes e por escrito reconheceram não existir. E tão frouxo com poderosos...