Telecomunicações Operadora Oi e regulador brasileiro tem audiência judicial no dia 22 de Novembro

Operadora Oi e regulador brasileiro tem audiência judicial no dia 22 de Novembro

A operadora Oi e a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que regula este sector no Brasil, tem uma reunião de mediação de dívida a 22 de Novembro na 7ª Vara de Falências do Rio de Janeiro.
Operadora Oi e regulador brasileiro tem audiência judicial no dia 22 de Novembro
Reuters
Lusa 10 de Novembro de 2016 às 18:28

A informação foi dada por Marco Schroeder, presidente da Oi, uma teleconferência com analistas de mercado.

 

A Anatel divulgou em Outubro que a empresa de telecomunicações participada da Pharol lhe deve 20 mil milhões de reais (5,4 mil milhões de euros) em multas e encargos, enquanto a operadora informava que tinha débitos de 11,1 mil milhões de reais (3 mil milhões de euros) para com aquela entidade.

 

Na teleconferência hoje, Ricardo Malavazi Martins, director de finanças e relações com investidores, explicou que na verdade a diferença entre estes dois cálculos existe mas é menor do que parece.

 

Segundo aquele responsável da operadora de telecomunicações, já estaria contabilizado no processo de recuperação judicial da empresa débitos ilíquidos de 2,2 mil milhões de reais (600 mil euros). Estes débitos declarados sobre as pendências com a Anatel aumentariam o total da dívida para 13,3 mil milhões de reais (3,6 mil milhões de euros).

 

"Outros 5,7 mil milhões de reais (1,5 mil milhões de euros) são créditos tributários e ónus de concessão. Em aberto, estão 1,3 mil milhões de reais (350 mil euros), valor que a Oi considera divergente e que é alvo da disputa com a Anatel", declarou.

 

Esta e outras dívidas estão a ser negociadas, mas o director de finanças e relações com investidores da operadora alertou que os prazos definidos pela lei da recuperação judicial são rígidos e não dependem apenas da empresa.

 

"Todos os esforços estão sendo feitos para acelerar as negociações, mas até ao dia 19 de Dezembro não existe a possibilidade de anunciar qualquer tipo de acordo", frisou Malavazi.

 

No dia 20 de Setembro, foi publicada uma primeira lista de credores da operadora, com débitos de 65,1 mil milhões de reais (17,7 mil milhões de euros). E uma próxima lista actualizada deve ser apresentada até ao dia 19 de Dezembro, se não houver algum adiamento deste prazo.

 

A empresa brasileira é detida em 27% pela portuguesa Pharol, antiga PT SGPS.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 hora

É um poço que não tem fundo. Pode vir Deus do céu Há terra que os ladrões resistem a tudo e todos.

pub