Telecomunicações Operadoras de telecomunicações lesaram clientes em 50 milhões de euros

Operadoras de telecomunicações lesaram clientes em 50 milhões de euros

As operadoras de telecomunicações terão cobrado pelo menos 50 milhões de euros de forma irregular aos seus clientes, escreve hoje o Diário de Notícias. Terá sido este o montante encaixado após a subida de preços que a Anacom quer ver revertida.
Operadoras de telecomunicações lesaram clientes em 50 milhões de euros
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 31 de julho de 2017 às 10:44

As operadoras de telecomunicações que aumentaram os preços depois de Julho de 2016 sem terem avisado os seus clientes – algo que foi considerado irregular pela Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) – terão lesado os clientes em 50 milhões de euros, escreve esta segunda-feira, 31 de Julho, o Diário de Notícias, com base em cálculos da Associação de Defesa do Consumido (Deco).

 

Estes números poderão ainda ser estimativas conservadoras, uma vez que a Deco apenas considerou os aumentos levados a cabo pela Meo e pela Nos, que dominam o mercado. Ficam de fora a Vodafone e a Nowo.

 

Em causa estão as alterações levadas a cabo pelas operadoras após Julho de 2016, altura em que entrou em vigor a nova Lei das Comunicações, e que exige que sejam comunicados previamente os aumentos tarifários. A Anacom revelou que as quatro operadoras já referidas aplicaram esses aumentos sem o comunicar aos seus clientes. E decidiu que quem foi alvo desses aumentos pode rescindir o contrato sem custos, ou voltar a ter os preços anteriores.

 

Segundo a Deco, embora não seja possível quantificar o número exacto de clientes afectados, é pelo menos possível calcular que o aumento de preços resultou num encaixe irregular de pelo menos 50 milhões de euros, tendo em conta o número de portugueses com pacotes de televisão, internet ou serviço fixo, tendo como base as reclamações de clientes Meo e Nos. Nesses casos, os preços registaram uma subida média entre 3,4% e 7,4%.

 

A Deco defende que as operadoras devem devolver de forma voluntária os montantes cobrados de forma irregular. A Anacom não pode forçar as operadoras a devolver essas verbas.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 31.07.2017

As dívidas das operadoras de telecomunicações, a muitos dos seus clientes, é muito maior. Se pensarmos na destruição estética de fachadas de edifícios, onde as operadoras rompem furos para passar os seus cabos, estendidos ao longo das fachadas, chegaremos certamente a valores muito superiores. Aqui, a impunidade tem vencido, apesar das deliberações autárquicas.

comentários mais recentes
Anónimo 31.07.2017

E AGORA QUE VAI SUCEDER?? SERÁ O NORMAL!! TUDO IGUAL....

Camponio da beira 31.07.2017

E o defice tarifario sa edp não vieram dizer que foi conseguido em parte com contas fraudulentas. Os clientes também foram extorquidos em aumentos desnecessários...e ainda não foram indemnizados.

Anónimo 31.07.2017

As dívidas das operadoras de telecomunicações, a muitos dos seus clientes, é muito maior. Se pensarmos na destruição estética de fachadas de edifícios, onde as operadoras rompem furos para passar os seus cabos, estendidos ao longo das fachadas, chegaremos certamente a valores muito superiores. Aqui, a impunidade tem vencido, apesar das deliberações autárquicas.

pub