Telecomunicações Orascom estende prazo da proposta que inclui OPA à Oi

Orascom estende prazo da proposta que inclui OPA à Oi

O fundo do milionário egípcio Naguib Sawiris alargou o prazo da proposta para um plano alternativo de recuperação judicial da Oi até ao dia 28 de Fevereiro.
Orascom estende prazo da proposta que inclui OPA à Oi
Reuters
Sara Ribeiro 31 de janeiro de 2017 às 13:43

A Oi informou esta terça-feira, 31 de Janeiro, que a Orascom decidiu alargar a validade da proposta anteriormente apresentada para a recuperação judicial da operadora brasileira, que tem a Pharol como maior accionista.

Em comunicado emitido ao regulador brasileiro (CVM), a operadora esclarece que "nesta data, a Orascom TMT Investments S.à.r.l. voluntariamente encaminhou correspondência à companhia estendendo a validade das suas sugestões para um plano alternativo de recuperação judicial até o dia 28.02.2017".

A Oi reitera ainda que "continua se reunindo regularmente com demais credores, stakeholders da companhia e potenciais investidores com vistas a reunir impressões, comentários e sugestões de melhoria ao plano de recuperação judicial", lê-se no mesmo comunicado que não adianta mais pormenores.

Como a operadora já tinha anunciado, no dia 16 de Dezembro recebeu uma proposta para um plano alternativo de recuperação judicial de "um grupo formado por representantes de credores da companhia [Moelis & Company e FTI Consulting] e um potencial investidor, Orascom TMT Investment, sociedade sediada no Luxemburgo".

A proposta inclui uma oferta pública de aquisição (OPA) de até 1,25 mil milhões de dólares, montante que seria destinado a investimentos na Oi.

Na altura, a Oi referiu que "oportuna e cuidadosamente" iria analisar "as sugestões de tal grupo de credores, juntamente com as demais sugestões que surgirem ao longo de encontros com outros credores da companhia".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub