Empresas Orey Antunes passa de lucros a prejuízos em 2016

Orey Antunes passa de lucros a prejuízos em 2016

A Orey Antunes registou perdas de 12,8 milhões de euros entre Janeiro e Dezembro do ano passado, contra ganhos de 3,04 milhões no período homólogo de 2015.
Orey Antunes passa de lucros a prejuízos em 2016
Miguel Baltazar
Carla Pedro 16 de junho de 2017 às 02:21

Em 2016, a Orey Antunes reportou um resultado líquido negativo no valor de de 12,79 milhões de euros, contra lucros de 3,048 milhões de euros no ano precedente.

 

Segundo a empresa, o ano de 2016 foi de reestruturação e transformação para o Grupo Orey. E o resultado negativo decorre sobretudo de três factores: uma perda contabilística de 5,9 milhões de euros registada na venda da posição no Banco Inversis; custos não recorrentes de cerca de 3,2 milhões, principalmente relacionados com o processo de reestruturação, incluindo indemnizações por rescisões de contratos de trabalho e penalizações por terminação antecipada de contratos de fornecedores; e cerca de 4 milhões de perdas relacionadas com a actividade global do ano.

 

Por seu lado, o EBITDA (resultados antes de gastos financeiros, impostos, depreciações e amortizações) agravou-se em 229%: foi de 7,91 milhões de euros negativos em 2016, conta 6,14 milhões de euros negativos um ano antes, revelou a empresa no comunicado com o relatório e contas enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

 

Já o produto da actividade financeira ascendeu a 1,77 milhões de euros, menos 68% face a 2015 – quando se fixou em 5,48 milhões.

 

Durante 2016 e início de 2017, a Orey "implementou um plano de reorganização para reduzir significativamente os custos de modo a reequilibrar os seus resultados operacionais; reposicionar a sua oferta comercial; e implementar uma nova estrutura de balanço através da venda de activos e renegociação dos termos e condições dos seus mais importantes instrumentos de dívida, incluindo obrigações e dívida bancária, com o objectivo de aumentar os prazos de vencimento e reduzir o custo da dívida", refere a empresa.

 

O plano de reorganização abrangeu também outras áreas, nomeadamente "o contacto extensivo com os clientes da Orey Financial visando o restabelecimento da relação comercial e um enfoque especial nas iniciativas para rejuvenescer a equipa comercial e aumentar a sua motivação", acrescenta o documento.

 

"Considerando que este plano de corte de custos e reorganização está já largamente executado, o enfoque está agora a investir no crescimento orgânico", sublinha a Orey.

 

A Orey salienta ainda que se tem vindo a posicionar mais recentemente como uma sociedade de investimentos, "tendo alargado a sua actuação ao sector financeiro, o qual elegeu como estratégico".

 

Na área financeira, o Grupo Orey tem apostado nas geografias portuguesa e espanhola, mas mantém a sua presença nas mais diversificadas áreas em múltiplos países – havendo, no entanto, estreita ligação ao Brasil, a Angola e a Moçambique.

 

O grupo Orey, liderado por Duarte d'Orey (na foto), tem presença no sector financeiro em Portugal e Espanha através da sua subsidiária Orey Financial.

 

No que respeita a Espanha, tinha a sua presença através do Banco Inversis – depois de, a 8 de Janeiro de 2016, ter comprado 49,99% do mesmo por 21,74 milhões de euros – mas vendeu essa posição em Julho desse ano à Banca March, tendo passado então a operar no país vizinho através da Orey Financial.

 

Relativamente à área de corretagem online em Portugal, e considerando a evolução anual, verificou-se uma diminuição dos activos sob custódia (-20,6%), do volume de transações (-69,7%), nomeadamente em CFD e Forex, e das comissões líquidas (-70,9%). Ainda assim, a empresa sublinha o facto de se ter verificado um crescimento de 4,7% no número de clientes.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub