Comércio Os frescos da Greenyard querem comprar as bananas e os ananases da Dole

Os frescos da Greenyard querem comprar as bananas e os ananases da Dole

A Greenyard, companhia europeia de frutos e vegetais frescos e congelados, está em conversações "adiantadas" para adquirir a americana Dole Food, centrada nos frutos e saladas.
Os frescos da Greenyard querem comprar as bananas e os ananases da Dole
Reuters
Diogo Cavaleiro 19 de dezembro de 2017 às 11:47

A distribuidora alimentar belga Greenyard, que está em Portugal na plataforma logística em Torres Novas e em Leixões, encontra-se em conversações "avançadas" para comprar a americana Dole Food Company, conhecida pela produção de ananás e banana.

 

"Neste momento, ainda não há nenhum acordo definitivo, nem há garantia de que estas negociações vão culminar numa transacção entre as duas empresas", afirma o grupo comprador, em comunicado, depois de notícias a dar da operação.

 

A Greenyard, cotada na bolsa de Bruxelas, é uma empresa da área alimentar, focada em produtos frescos e congelados, presente em Portugal com o seu ramo logístico. "A Greenyard assegurou o financiamento adequado e está confiante na sua capacidade para concluir o negócio com o financiamento equilibrado caso o acordo definitivo seja alcançado", acrescenta o documento.

 

A Reuters afirma, com base numa fonte próxima do processo na segunda-feira, que a compra da Dole, com sede na Califórnia, pode avaliá-la em mais de 2,5 mil milhões de dólares (2,1 mil milhões de euros à cotação actual), número também referido pela Bloomberg. A Dole, que também tem nas saladas uma área de negócio, tinha iniciado, nos EUA, um processo de distribuição de parte do capital no início deste ano.

 

Juntas, as receitas totais das duas empresas poderão ascender a 8 mil milhões de euros anuais, permitindo a expansão no mercado americano, sublinha a Reuters. Aliás, para a Greenyard, o mercado americano conta já com clientes já na sua carteira, como a Aldi e o Lidl.

As acções da Greenyard sobem 0,08% para 9,65 euros.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar