Banca & Finanças Os fundos a que chamam "abutres" e querem ser Lázaro

Os fundos a que chamam "abutres" e querem ser Lázaro

A estratégia de investimento de entidades como a Lone Star e a Apollo leva o mercado a apelidá-las de "abutres". Estes investidores contestam este epíteto. Preferem ser chamados de fundos Lázaro, por devolverem à vida activos em dificuldade.
Os fundos a que chamam "abutres" e querem ser Lázaro
Maria João Gago 11 de janeiro de 2017 às 22:00

Empresas como a Lone Star e a Apollo são muitas vezes apelidadas de fundos "abutres". Isto porque têm uma estratégia de investimento que passa pela aquisição, por um valor tão baixo quanto possível, de activos problemáticos, ou seja, que enfrentam problemas financeiros e necessitam de reestruturação, e que os operadores desses sectores não querem adquirir.

Depois de tomarem conta das empresas, os gestores de fundos de "private equity" procuram torná-las viáveis, através da venda de activos, do corte de custos, da redução de trabalhadores e da descontinuação de negócios menos rentáveis. Feito este trabalho, que pode durar meia dúzia de anos ou um pouco mais, estas entidades procuram vender estas empresas com o objectivo de rentabilizarem o investimento realizado. Podem fazer as alienações através da dispersão em bolsa do capital das empresas ou da sua venda a investidores do sector que, graças às sinergias, ainda podem retirar ganhos destas operações.

Lone Star e Apollo recusam o epíteto de investidores "abutres", alegando não comprarem activos de impossível rentabilização. Dentro da Lone Star há mesmo quem conteste esta ideia com base no princípio de que a gestora não adquire activos mortos. "Não somos fundos ‘abutres’, somos fundos Lázaro. Não compramos activos mortos, trazemos activos de volta à vida", defende-se entre os responsáveis do "private equity", numa referência ao milagre de ressurreição de Lázaro, descrito na Bíblia.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Desanimado 11.01.2017

Eu dou uma ajuda! Realmente não são abutres, são mais predadores. Pegam nas empresas moribundas "matam" os trabalhadores que sobram, vendem os ativos que restam e se depois da carnificina se não reaverem o dinheiro que lá puseram vão ter com o estado e accionam as garantias para os contribuintes pagarem. Que belos empresários, a isto chama-se empreendedorismo sem riscos.

comentários mais recentes
Anónimo 11.01.2017

É a herança do Senhor Passos de Coelho "Des-investimento Estrangeiro" . Mais vale fechar abrir falência e vender os ativos, ao menos o capital não sai do país.

Desanimado 11.01.2017

Eu dou uma ajuda! Realmente não são abutres, são mais predadores. Pegam nas empresas moribundas "matam" os trabalhadores que sobram, vendem os ativos que restam e se depois da carnificina se não reaverem o dinheiro que lá puseram vão ter com o estado e accionam as garantias para os contribuintes pagarem. Que belos empresários, a isto chama-se empreendedorismo sem riscos.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub