Agricultura e Pescas Pão alentejano "ambiciona" ser certificado com Indicação Geográfica Protegida

Pão alentejano "ambiciona" ser certificado com Indicação Geográfica Protegida

O pão alentejano, produto identitário e património do Alentejo, pode vir a ser certificado com Indicação Geográfica Protegida, no próximo ano, fruto de um projecto que junta produtores, uma associação e a entidade regional de turismo.
Pão alentejano "ambiciona" ser certificado com Indicação Geográfica Protegida
Lusa
Lusa 05 de dezembro de 2017 às 09:49
O projecto "Qualificação do Pão Alentejano", que pretende alcançar a certificação, é promovido pela Terras Dentro - Associação para o Desenvolvimento Integrado, sediada em Alcáçovas, no concelho de Viana do Alentejo (Évora), e pela Entidade Regional de Turismo do Alentejo.

"O pão alentejano é património desta região. É um produto com uma forte história e tradição, tem um valor incalculável e considerámos que tinha de ser protegido e continuar a ser fiel à sua génese", explicou hoje à agência Lusa Francisca Valério, da Terras Dentro.

O trabalho, explicou, resulta de uma candidatura ao programa Alentejo 2020, aprovada em 2015, com financiamento comunitário, e já permitiu "criar instrumentos que podem servir de base" a "um processo de registo de protecção do produto", a apresentar pelos produtores.

"Estamos na fase de constituição do agrupamento de produtores" e "há muitos padeiros e padeiras interessados em integrar o agrupamento e em avançar com o registo", destacou.

Segundo Francisca Valério, a intenção passa por pedir a criação da Indicação Geográfica Protegida (IGP): "Se todos os factores forem convergentes, acreditamos que, muito brevemente, talvez para o ano, esta possa vir a ser uma realidade".

"Será uma mais-valia para os produtores e para o próprio consumidor", porque a IGP fornece "uma garantia de qualidade", e pode contribuir para "agregar os produtores em prol de uma causa, a do pão alentejano e da preservação da sua qualidade e da sua génese", frisou.

De acordo com a Terras Dentro, o objectivo é "valorizar e proteger um produto com forte impacto económico na região", contribuindo "para o aumento da competitividade das micro e pequenas empresas do setor e de outras atividades a montante e a jusante da fileira do pão".

O diagnóstico da fileira do pão (desde a análise do trigo à caracterização das moagens do Alentejo e à qualidade das farinhas) já foi efectuado e decorreram acções de informação e sensibilização junto das 350 padarias em atividade em todo o Alentejo (Portalegre, Évora, Beja e litoral alentejano), das quais "318 disponibilizaram-se para colaborar com o projecto", assinalou Francisca Valério.

A elaboração de um caderno de especificações descritivo do processo de confecção e a criação de um painel de provadores, em parceria com a Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Beja, foram outros dos passos dados.

Segundo Francisca Valério, ao longo deste trabalho, foi possível constatar que, mesmo que haja "um ou outro elemento diferenciador" de padaria para padaria, o fabrico do pão tradicional do Alentejo é marcado por "uma grande uniformidade", que é "o que se pretende preservar", frisou.

O pão típico da região, precisou, "tem durabilidade e é um pão dobrado e com cabeça, feito com farinha de trigo", com um miolo "compacto, de cor marfim acinzentado", e uma crosta "baça e estaladiça", devendo a base ter "pelo menos três milímetros de espessura".

"E tem um sabor acidulado indiscutível, que provém do uso de um fermento natural, denominado 'massa-mãe' ou 'massa velha' ou 'isco', que é uma porção de massa retirada da amassadura anterior e que fica a fermentar para as amassaduras seguintes", assinalou.

Tem, igualmente, uma confecção própria, assente em "dois processos de fermentação, um longo, para levedar e ganhar todas estas características, e um curto", o que, tudo combinado, origina "um pão diferente, com um sabor e texturas diferentes", sublinhou.

O projecto vai ser abordado num seminário, na quarta-feira, no auditório do Instituto Politécnico de Beja, para fazer o balanço das actividades desenvolvidas e traçar estratégias para o futuro, nomeadamente a da criação do agrupamento de produtores de pão alentejano.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 5 dias

A foto da noticia não é pão Alentejano.