Indústria Papoila de ópio: Australianos vendem subsidiária em Portugal

Papoila de ópio: Australianos vendem subsidiária em Portugal

A empresa TPI Enterprises, que também tem plantações no Alqueva, anunciou a venda da subsidiária portuguesa alegando que a compra recente de uma unidade produtiva na Holanda torna desnecessário o investimento em Portugal.
Papoila de ópio: Australianos vendem subsidiária em Portugal
Francisco Gomes/CM
Paulo Zacarias Gomes 06 de novembro de 2017 às 16:04

A empresa TPI Enterprises, produtora australiana de papoila de ópio para fins farmacêuticos, anunciou a venda da sua subsidiária portuguesa por 2,85 milhões de euros, alegando que a compra recente de uma empresa na Noruega tornou desnecessário o investimento em nova capacidade de produção em Portugal.

Em comunicado disponibilizado esta segunda-feira, 6 de Novembro, no site da bolsa australiana, a empresa refere que chegou a acordo com um "fabricante farmacêutico europeu de produtos não-opiáceos" para a venda da subsidiária lusa, depois de uma "análise detalhada" dos activos comprados à norueguesa Vistin Pharma ASA em Julho passado.

Segundo a companhia, basta um "investimento modesto" nestas instalações na Noruega para expandir a sua capacidade de produção e dosagem de ingredientes farmacêuticos activos, o que torna desnecessário o investimento no equipamento de produção em Portugal. A venda deverá estar concluída no final deste mês de Novembro.

"O investimento de 2 milhões de dólares australianos [1,32 milhões de euros à cotação actual] em equipamento ‘Buchi’ [fornecedor de tecnologias de laboratório], comprado com o apoio governamental de 1 milhão de dólares australianos, vai agora ser montado naquele país para o fabrico de Naxolona e outros ingredientes farmacêuticos activos de elevado valor. O equipamento já foi despachado para a Noruega", acrescenta o comunicado.

Em Abril de 2015, em entrevista ao Diário Económico, o presidente-executivo da TPI Enterprises tinha anunciado que a empresa comprara uma fábrica em Mem Martins, a usar em armazenamento e na primeira fase de processamento de papoila. "Estimamos que o investimento seja de 10 milhões de euros este ano," afirmou então Jarrod Ritchie.

E no relatório e contas de 2016, a empresa dizia já ter obtido a "licença final" por parte do IAPMEI (que surge na consulta pública para licenciamento único de ambiente como entidade coordenadora) para começar a construir uma fábrica na região de Lisboa com capacidade para processamento de 150 toneladas de matéria-prima, que deveria começar a fornecer lotes comerciais de fostato de codeína na segunda metade de 2018.

Em causa estava, de acordo com as peças que acompanham a consulta pública para licenciamento, a instalação prevista de uma fábrica no armazém logístico anteriormente pertencente à farmacêutica Merck Farma e Química S.A, instalado num parque industrial em Mem Martins, Sintra. As instalações (1.353 metros quadrados numa área total de 20.389 metros quadrados) foram compradas pela TPIH - Poppygrowing (Portugal), S.A, sendo a transacção registada a 31 de Março de 2015.

Em Maio passado as instalações da empresa na Rua República da Coreia, concelho de Sintra, receberam também o título único ambiental tendo em vista o fabrico de produtos farmacêuticos naquele local.

Além desta capacidade industrial prevista, a TPI Enterprises gere plantações de papoila de ópio em Portugal no Alentejo, região onde a escocesa Macfarlan Smith também opera na mesma área. Para lá de Portugal, a empresa importa papoila para a Austrália a partir da Hungria, França, Reino Unido e Turquia.

No país, no final do ano passado, a empresa controlava três empresas: a TPIH Holding Portugal, Serviços de Agricultura Lda, a TPIH – API Portugal, S.A e a TPIH – Poppygrowing (Portugal) S.A. É esta última empresa que gere a plantação de papoila e que tem, desde Novembro de 2014, autorização do INFARMED para cultivo e exportação de papoila de ópio.

Segundo a mesma entrevista ao Diário Económico, a TPI Enterprises explorava em 2015 cerca de 700 hectares de plantação de papoila branca no Alentejo e esperava atingir os 2.500 a 3.000 hectares em 2016. O Negócios contactou a empresa para perceber se esta operação agrícola também está incluída na venda e mais detalhes sobre a operação, mas até ao momento não foi possível obter respostas.

A TPI Enterprises foi fundada em Janeiro de 2004 e está cotada na bolsa australiana desde Agosto de 2015. Além da sede em Melbourne, Victoria, a empresa tem ainda presença em Cressy (Tasmânia) e Lisboa, operação que agora vende. Segundo o relatório em que apresenta as contas do primeiro semestre de 2017, tem 62 funcionários.

No primeiro semestre, a companhia apresentou perdas depois de impostos de 8,77 milhões de dólares australianos. 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Boa, geringonça. Espantam tudo e todos daqui para fora. Nem com salários 3 vezes maiores os noruegueses deixam de atrair investimento estrangeiro.

comentários mais recentes
cambada de drogados Há 2 semanas

a andar

Anónimo Há 2 semanas

Boa, geringonça. Espantam tudo e todos daqui para fora. Nem com salários 3 vezes maiores os noruegueses deixam de atrair investimento estrangeiro.

Saber mais e Alertas
pub