Aviação Passageiros da Monarch em Portugal regressam ao Reino Unido em voos fretados pelas autoridades

Passageiros da Monarch em Portugal regressam ao Reino Unido em voos fretados pelas autoridades

O Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico ainda não possui dados sobre o número exacto de portugueses afectados pela insolvência da transportadora britânica, que voava para os aeroportos de Lisboa, Faro, Porto e Funchal.
Passageiros da Monarch em Portugal regressam ao Reino Unido em voos fretados pelas autoridades
Inês Gomes Lourenço/Correio da Manhã
Lusa 02 de outubro de 2017 às 14:20
Todos os passageiros que viajaram para Portugal na companhia britânica Monarch, que declarou falência hoje, poderão regressar ao Reino Unido sem custo adicional em voos fretados pelas autoridades do país, independentemente da nacionalidade, informou a Autoridade de Aviação Civil.

A pedido do governo britânico, a Autoridade de Aviação Civil britânica (CAA) fretou aviões, que vão operar nas próximas duas semanas para transportar os passageiros afectados, incluindo portugueses que tenham usado a Monarch Airlines para se deslocar a Portugal.

"A CAA vai transportar qualquer pessoa com bilhete marcado para a Monarch, independente da nacionalidade", garantiu a presidente, Deirdre Hutton, numa conferência telefónica.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico ainda não possui dados sobre o número exacto de portugueses afectados pela insolvência da transportadora britânica, que voava para os aeroportos de Lisboa, Faro, Porto e Funchal.

"Para as pessoas que estão no estrangeiro, todos os que iriam viajar nas próximas duas semanas vão poder regressar ao Reino Unido sem custo adicional, o mais próximo possível da hora, provavelmente no espaço de duas horas do seu horário original", disse a responsável.

Para aqueles com alguns dias de férias ou estadia em Portugal, o conselho é que "que permaneçam no seu hotel, gozem o resto das suas férias porque não precisam de interromper a estadia".

Os passageiros da Monarch que estão actualmente no estrangeiro devem aceder à nova página electrónica da Monarch [https://monarch.caa.co.uk/] para encontrar a informação sobre os novos voos, com o número e hora de partida, que deverá ser dada com 48 horas de antecedência.

Todas as restantes viagens marcadas com a Monarch foram canceladas, devendo as pessoas evitar deslocar-se aos aeroportos, podendo aceder ao mesmo endereço para saber o que fazer a seguir.

Ao todo, estima-se que cerca de 110 mil passageiros da Monarch estejam actualmente no estrangeiro, em diferentes localidades da Croácia, Chipre, França, Gibraltar, Grécia, Israel, Itália, Portugal, Espanha, Suécia e Turquia.

A Monarch voava também para a Áustria, Alemanha e Suíça, mas apenas no inverno, na época alta de 'ski', pelo que nesta altura não existem passageiros a necessitar de regresso daqueles países para o Reino Unido.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico disse ter colocado funcionários ou colaboradores nos diversos aeroportos europeus e no Médio Oriente (Turquia) afetados para informar os passageiros da Monarch e para dar assistência consular caso seja necessário.

Um porta-voz adiantou ainda que Londres está em contacto com os governos ou missões diplomáticas dos respectivos países afectados.

Estas "medidas excepcionais", acrescentou, foram tomadas porque "a CAA considerou que o mercado não oferece solução alternativa para conseguir transportar as cerca de 100 mil pessoas actualmente no estrangeiro".

Contudo, o responsável considerou que "o mercado tem capacidade para transportar pessoas do Reino Unido para os destinos da Monarch", isto é, os passageiros poderão comprar viagem em outras companhias aéreas, reclamando depois a compensação à Monarch.

A Monarch Airlines declarou insolvência após falhar a renovação da licença para vender viagens e pacotes de férias no estrangeiro devido a problemas financeiros.

Os recentes ataques terroristas no Egipto e na Tunísia e a redução da procura de viagens para a Turquia por causa da insegurança na região são considerados a causa principal da quebra de receitas, justificou, numa carta aos funcionários, o presidente executivo, Andrew Swaffield.

Outro factor foi a redução das margens de lucro nos bilhetes para outros destinos como Espanha e Portugal, que representavam 80% da operação da Monarch.

"Este ano, a companhia transportou mais 14% de passageiros do que no ano passado mas teve uma receita líquida inferior em 100 milhões de libras (113 milhões de euros)", afirmou.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Gaspar Há 2 semanas

Imaginem que era cá... Estavam bem li xa das as pessoas. Quanto muito, punham um C130 a ir buscar a malta, mas só quem tinha comprado férias em suites ou bilhetes em executiva. O presidente eleito, ex-presidiário, dava 100 do seu bolso para ajuda do combustível

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub