Banca & Finanças Paulo Macedo cortou empréstimos de risco
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Paulo Macedo cortou empréstimos de risco

Nova administração da CGD fechou contas do ano passado com um número menor de empréstimos de cobrança duvidosa face ao plano de Domingues. Alteração permitiu baixar injecção pública de capital. Macedo explica contas de 2016 esta quarta-feira no Parlamento.
Paulo Macedo cortou empréstimos de risco
Paulo Duarte/Negócios

O presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD) reduziu o número de empréstimos considerados de cobrança duvidosa quando fechou as contas do ano passado. Foi esta alteração que permitiu baixar o valor da injecç)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 12.04.2017

Do ponto de vista de um tradicional banco de retalho, que risco existe em emprestar a 200 ou 300 mil excedentários blindados face à real procura e oferta de mercado motivada pelos avanços tecnológicos, a globalização e as alterações nos hábitos, gostos necessidades e expectativas de todos os agentes económicos? E aos muitos milhares de pensionistas que anteriormente passaram incólumes por essa mesma situação de excedentarismo protegido e principescamente remunerado? A banca de retalho fomenta e vive do excedentarismo a par com o capitalismo de compadrio subsidio dependente e os políticos eleitoralistas irresponsáveis. Se a jurisdição em causa, por acréscimo, não tem mercado laboral flexível nem mercado de capitais, o melhor talento e investimento perde-se na íntegra. Sobram os resgates cíclicos, as bolsas perfeitamente evitáveis de pobreza endémica, o atraso, a irrelevância e dependência extremas enquanto povo, cultura e sociedade no contexto do mundo desenvolvido.

comentários mais recentes
Anónimo 13.04.2017

A banca andou a viver acima das suas posses, com empréstimos aos amigalhaços do costume, pex. alguém sabe quem são os grandes devedores da Caixa Geral de Depositos? investiguem falou-se numa lista que logo foi ocultada do publico...

Anónimo 12.04.2017


Perguntem ao Vara, ao Sócrates, ao Costa e ao PS.

Eles sabem onde estão os 5.000 milhões de €… que roubaram na Caixa Geral de Depósitos!

Anónimo 12.04.2017


PS rouba 258 milhões de €, aos trabalhadores e pensionistas... para dar a alguns amigos "especiais" (investidores do BES).

MANDEM A CONTA AOS CHULOS QUE VOTARAM NO PS.

Anónimo 12.04.2017

E a dívida que Portugal não tem estrutura económica para pagar continua e continuará a crescer...

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub