Banca & Finanças Paulo Macedo: "Tentaremos não chegar aos tribunais" no diferendo com os trabalhadores

Paulo Macedo: "Tentaremos não chegar aos tribunais" no diferendo com os trabalhadores

O presidente da Caixa diz querer evitar o recurso a tribunal. Em causa está a diferença de interpretações sobre contabilizações que terão impacto nas progressões de carreira e reposição de ajudas de custo.
Paulo Macedo: "Tentaremos não chegar aos tribunais" no diferendo com os trabalhadores
Miguel Baltazar/Negócios
Maria João Gago 10 de março de 2017 às 19:07

Paulo Macedo espera não ter de ir a tribunal por causa das diferenças como a Caixa e os sindicatos interpretam a saída do banco dos limites do OE. A administração está "à espera de um último parecer" para assumir uma posição final sobre este tema.

 

"Tentaremos não chegar a essa via", garantiu Paulo Macedo quando questionado sobre a possibilidade de os sindicatos bancários recorrerem a tribunal para reivindicarem a contabilização dos anos de 2013 a 2016 para efeito das progressões de carreira e da reposição das ajudas de custo. 

"A Caixa está a agir de acordo com os pareceres que tem", começou por dizer o presidente da instituição. O banco "está à espera de mais um parecer" e espera "consubstanciar a sua posição neste parecer", adiantou Macedo. 

 

O banqueiro reconhece que a forma como interpreta o facto de o Orçamento do Estado deste ano ter isentado a Caixa dos limites aos salários e as progressões de carreira é "diferente" das do Sindicato dos Trabalhadores das Empresas do Grupo CGD. (STEC). Mas acredita que "a Caixa está a cumprir" a lei. 

 

No caso de o novo parecer vir a confirmar a posição da CGD, Macedo garante que a via escolhida "será a de esgrimir os argumentos, ouvir os sindicatos e negociar". O objectivo do presidente é evitar ter que ir à tribunal, cenário que o STEC não exclui. 

 

O Sindicato dos Trabalhadores da CGD acusa a Caixa de estar a "apagar" quatro anos da vida dos quadros da CGD por não considerar os exercícios de 2024 a 2016 para efeitos das progressões automáticas, reintroduzidas pelo OE deste ano. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 14.03.2017

Paulo Macedo, ..ainda temos Homens honestos +bons administradores..Mas são poucos para as necessidade ..os Paulos Macedos bem haja quem teve a coragem de o trzer a ribalta...

pub
pub
pub
pub