Banca & Finanças PCP defende que o importante é "controlo público" do sistema financeiro

PCP defende que o importante é "controlo público" do sistema financeiro

Paulo Sá considera que não se pode fazer aperfeiçoamentos da supervisão do sistema financeiro. Porque o que é preciso é fazer com que a banca seja nacionalizada.
PCP defende que o importante é "controlo público" do sistema financeiro
Miguel Baltazar
Diogo Cavaleiro 19 de setembro de 2017 às 16:50
O Partido Comunista Português mantém que não é alterando a supervisão financeira que se resolvem e impedem problemas na banca nacional. É mudando directamente os accionistas dos bancos.

"Colocar o sistema financeiro sob controlo público". É isto que, segundo o deputado comunista Paulo Sá (à direita na foto), faz sentido que aconteça na banca portuguesa.

Em resposta ao PSD, que apresenta seis diplomas de reforma da supervisão financeira, sendo que o grupo de trabalho do Governo também divulgou ontem as suas conclusões, Paulo Sá defende que é preciso admitir que é a banca que tem de mudar. Não se pode só "fazer o número do aperfeiçoamento" do sistema.

Segundo o deputado comunista, concretizando tais melhorias no sistema financeiro, está-se a "alimentar a ilusão quando o essencial continua tudo na mesma": são os "grupos monopolistas que controlam o sistema financeiro, mas quando é necessário dinheiro, o Estado intervém.

Esta tem sido a posição do PCP no tema da banca: os problemas vão continuar a existir se a banca continuar em mãos privadas. E, assim, a supervisão não permite um "controlo eficaz sobre as contas e práticas do sistema financeiro".

Paulo Sá, no debate parlamentar, lançou também críticas à união bancária, argumentando que continua a limitar a soberania nacional. "Da parte do PCP, reafirmamos a rejeição da união bancária", disse.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Pior a emenda que o soneto... 19.09.2017

Num mundo ideal em que os genes do homem fossem apenas de natureza altruísta, em minha opinião a solução comunista seria a melhor, e não tenho dúvidas que inclusive Jesus Cristo teria sido comunista.Mas infelizmente no mundo real parte dos genes humanos apoiam tendências altruístas, numa linha evolutiva das sociedades para uma mais justa redistribuição das riquezas, e outra parte espelha tendências egoístas resultantes da luta do Homem pela sobrevivência em 6 milhões de anos de evolução.Dada a impossibilidade de se concretizar o sonho do “Homem Novo” a que os sistemas comunistas aspiravam(a não ser à força, mas a aplicação da força para tentar concretizar o sonho comunista traduziu-se em mais de 100 milhões de mortes, para mim um preço demasiado elevado), então a menos má das soluções ainda será a da iniciativa privada regulada por maquinismos de decisão democrática, defendida de conflitos de interesses e de nepotismos perversos e orientada por preocupações meritocráticas.

comentários mais recentes
Pior a emenda que o soneto... 19.09.2017

Num mundo ideal em que os genes do homem fossem apenas de natureza altruísta, em minha opinião a solução comunista seria a melhor, e não tenho dúvidas que inclusive Jesus Cristo teria sido comunista.Mas infelizmente no mundo real parte dos genes humanos apoiam tendências altruístas, numa linha evolutiva das sociedades para uma mais justa redistribuição das riquezas, e outra parte espelha tendências egoístas resultantes da luta do Homem pela sobrevivência em 6 milhões de anos de evolução.Dada a impossibilidade de se concretizar o sonho do “Homem Novo” a que os sistemas comunistas aspiravam(a não ser à força, mas a aplicação da força para tentar concretizar o sonho comunista traduziu-se em mais de 100 milhões de mortes, para mim um preço demasiado elevado), então a menos má das soluções ainda será a da iniciativa privada regulada por maquinismos de decisão democrática, defendida de conflitos de interesses e de nepotismos perversos e orientada por preocupações meritocráticas.

Skizy 19.09.2017

Mais retroga que devia ser extraditado para a venezuela, ou coreia do norte!

Pior a emenda que o soneto... 19.09.2017

Num mundo ideal em que os genes do homem fossem apenas de natureza altruísta, em minha opinião a solução comunista seria a melhor, e não tenho dúvidas que inclusive Jesus Cristo teria sido comunista.Mas infelizmente no mundo real, parte dos genes humanos apoiam tendências altruístas, numa linha evolutiva das sociedades para uma mais justa redistribuição das riquezas,mas outra parte espelha tendências egoístas resultantes da luta do Homem pela sobrevivência em 6 milhões de anos de evolução.Dada a incapacidade de se concretizar o sonho altruísta do “Homem Novo” a que os sistemas comunistas aspiravam (a não ser à força, mas a força para tentar concretizar o sonho comunista, traduziu-se em mais de 100 milhões de mortes,hoje para mim um preço demasiado elevado), então a menos má das soluções ainda será a da "iniciativa privada" regulada por maquinismos de decisão democrática, defendida de conflitos de interesses e de nepotismos perversos e orientada por preocupações meritocráticas.

Anónimo 19.09.2017

Ou não fossem eles comunistas...

Saber mais e Alertas
pub