Banca & Finanças PCP quer banca a pagar imposto dos terminais de multibanco

PCP quer banca a pagar imposto dos terminais de multibanco

O grupo parlamentar do PCP apresentou hoje no parlamento cinco projectos de lei relativos às 12 iniciativas anunciadas para apoiar as micro, pequenas e médias empresas, incluindo a concretização do fim do Pagamento Especial por Conta (PEC).
PCP quer banca a pagar imposto dos terminais de multibanco
Miguel Baltazar
Lusa 10 de fevereiro de 2017 às 16:46

O diploma que cria uma comissão de acompanhamento para eliminar o PEC e um novo regime de adiantamento de IRC consoante o volume de vendas das empresas em 2019 será debatido a 17 de Fevereiro, dia em que também será discutida a proposta de lei governamental de redução do PEC de 850 para 750 euros, a que se conjuga uma outra redução percentual de 12,5%.

 

A proposta de lei do Governo surgiu no seguimento do 'chumbo' da redução da Taxa Social Única (TSU).

 

"O PEC foi uma medida introduzida em 1998 como temporária, mas que sucessivos governos foram deixando passar por se tratar de um assunto muito complexo. O PCP apresentou inúmeras propostas de redução e eliminação desta injustiça e, finalmente, elas fizeram o seu caminho, concretizando-se no Orçamento do Estado para 2017", congratulou-se o deputado comunista Paulo Sá, em conferência de imprensa na Assembleia da República.

 

Segundo o deputado do PCP, vai existir "um regime simplificado determinado por coeficientes técnico-científicos conforme os sectores e áreas de actividade económica para apurar a matéria tributável".

 

Outro projecto de lei dos comunistas visa passar o encargo com o imposto de selo sobre as transacções e máquinas de pagamento automático dos comerciantes (lojas, restaurantes, oficinas, entre outros) para o sector da banca, gerando um alívio estimado em "três a quatro milhões de euros por ano" àquelas pequenas empresas.

 

"Pretende-se também melhorar as situações de tesouraria, ao alargar o denominado 'IVA de caixa' (obrigação de entrega de imposto correspondente às vendas só aquando do pagamento das mesmas) das empresas com volumes de negócios até 500 mil euros para todo o universo que atinja dois milhões de euros anuais", descreveu também Paulo Sá sobre outra medida apresentada.

 

No campo dos combustíveis, o PCP propõe "alargar o regime de reembolso do Imposto Sobre os Produtos Petrolíferos (ISP) às empresas do sector produtivo", ou seja, do sector agropecuário e da indústria, passando a estar incluídas as suas máquinas e viaturas, à semelhança do que já aconteceu com as empresas de transportes de mercadorias.

 

OS comunistas pretendem ainda equiparar Portugal a Espanha na incorporação de biocombustíveis no gasóleo rodoviário para 5,5%, em vez dos atuais 7,5%, o que significará uma redução de dois cêntimos por litro, segundo estimou o deputado do PCP Bruno Dias.

 

"Além dos benefícios no preço final do combustível, há um ganho de competitividade transfronteiriça óbvio", resumiu.

 

Em 24 de Janeiro, os comunistas tinham apresentado uma dúzia de áreas de acção para facilitar a vida às micro, pequenas e médias empresas em termos de fiscalidade e custos de produção, designadamente em energia.

 

O anúncio surgira na véspera da rejeição da baixa da TSU, incluída pelo Governo e parceiros na negociação do aumento do Salário Mínimo Nacional (SMN), através de apreciação parlamentar requerida por BE e PCP e que contou com o apoio do PSD.

 




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
00SEVEN 11.02.2017

Tudo tretas e doses Himalaianas de demagogia!
Se isso vier a acontecer os clientes dos bancos levam logo com umas comissões em cima da cabeça que ficam mais ajoujados do que já andam!

Anónimo 11.02.2017

Porque não começarem por pagar imi sobre os seus imóveis seus pulhas ,como o resto dos mortais e só impostos todos os dias para o povo pagar seus atrasados mentais que só querem direitos e mais direitos e deveres e para o Zé povinho pagar, ide trabalhar ,não é com duas de treta que o país cresce.

nuno 10.02.2017

São mesmo estúpidos. É claro que quando obrigarem a banca a pagar o que for, a banca empurrar as despesas para os clientes. No final de contas calha sempre ao mesmo. Menos à banca.

jose almeida 10.02.2017

Ó Sr. legislador, a banca já sobrevive de pequenos roubos praticados ao pequeno cliente e pequeno acionista. Quer que semelhante prática se agrave?

ver mais comentários
pub