Aviação Pedro Marques: Novo aeroporto "transformou-se numa emergência"

Pedro Marques: Novo aeroporto "transformou-se numa emergência"

Ministro do planeamento salientou que os estudos ambientais para o novo aeroporto serão concluídos até final deste ano e que a renegociação com a ANA decorrerá na primeira metade de 2018.
Pedro Marques: Novo aeroporto "transformou-se numa emergência"
Bruno Simão/Negócios
Maria João Babo 18 de julho de 2017 às 10:19

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, afirmou esta terça-feira, no debate parlamentar sobre o novo aeroporto de Lisboa que a decisão sobre a solução para o reforço da capacidade aeroportuária "deixou de ser urgente e transformou-se numa emergência".

 

"Compete-nos evitar estrangulamentos económicos, das empresas e da mobilidade dos cidadãos", afirmou o governante, sublinhando que o aeroporto de Lisboa atingiu em 2016 os 22,4 milhões de passageiros, "seis anos antes do previsto".

 

Pedro Marques reafirmou que a solução para o aumento da capacidade aeroportuária de Lisboa incluirá ainda o redesenho do espaço aéreo e a coordenação entre a parte civil e militar, garantindo que a navegação civil se adaptará às condições levantadas pela parte militar.

 

O ministro sublinhou ainda que a o Montijo " é a única localização que permite aproximar a infra-estrutura aeroportuária dos municípios da região de Setúbal" e que o projecto irá permitir criar 20 mil novos postos de trabalho directos e indirectos. 

 

Pedro Marques afirmou ainda que até final de 2017 serão concluídos os estudos ambientais e que na primeira metade de 2018 será concretizada a renegociação com a ANA.

 

Em 2019 terá início a construção, de forma a que em 2021 o novo aeroporto complementar esteja a funcionar.




A sua opinião20
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 18.07.2017

O eixo - Barreiro; Lavradio; B.da Banheira. Alhos Vedros e Moita pelo menos já sabem o nome do almojacém do PS que patrocina a Menos-valia (aterragens/descolagens) para o futuro de má qualidade de vida quanto à barulheira noturna dos "low custs"; o montijense PEDRO MARQUES

Anónimo 18.07.2017

Mais uma a Sócrates. Onde já vimos este filme????????????

F.S. 18.07.2017

Em vez de fazer dois aeroportos era melhor pensar na obra da década e fazer um novo aeroporto a valer, seja em Alcochete ou noutro lado. Os custo estimados eram de cerca de 1.200 milhões de euros e a UE comparticiparia com cerca de 800 milhões, só em Montijo são 130M.

Pierre Ghost 18.07.2017

.....estamos tesos ...mas os xuxas sempre la descobrem alguma mina de ouro....
Ontem nem dinheiro tinhamos para pagar salarios aos FP...e agora e so projectos...obras...falta o TGV...
Aqui esta o exemplo que esta e a mesma quadrilha do metralha 44...a que nos levou e levara a bancarrota !!!

ver mais comentários
pub