Aviação Pedro Marques: Receitas da TAP cresceram 28% em 2017

Pedro Marques: Receitas da TAP cresceram 28% em 2017

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas revelou no Parlamento que a companhia aérea viu crescer as suas receitas no ano passado em mais de 620 milhões de euros.
Pedro Marques: Receitas da TAP cresceram 28% em 2017
DR/TAP
Maria João Babo 15 de fevereiro de 2018 às 16:29

O ministro do Planeamento e das Infra-estruturas, Pedro Marques, revelou esta quinta-feira, 15 de Fevereiro, no Parlamento que as receitas da TAP cresceram 28% no ano passado, o que significa mais de 620 milhões do que em 2016.

A companhia aérea, que anunciou apenas até agora o aumento do número de passageiros em cerca de 22% em 2017, registou em 2016 receitas de 2.242 milhões de euros, valor que representou menos 156 milhões do que os 2.398 milhões de euros registados em 2015.

Com o aumento de 28% referido por Pedro Marques, a TAP terá arrecadado receitas da ordem dos 2.870 milhões de euros.

Em entrevista ao Negócios e Antena 1, Humberto Pedrosa, um dos accionistas da Atlantic Gateway, que detém 45% da companhia aérea, tinha já referido que a facturação da TAP em 2017 rondou os três mil milhões de euros.

O também presidente do grupo Barraqueiro disse também na altura que o grupo TAP saiu do vermelho no ano passado, apesar do impacto negativo nos resultados que a unidade de manutenção do Brasil continuou a ter. As receitas da área da aviação terão, assim, mais do que compensado, o desempenho da TAP-Engenharia e Manutenção Brasil.

O ex-CEO da transportadora, Fernando Pinto, também chegou a dizer que os resultados de 2017 poderão ser os melhores da história da TAP.

O Estado detém actualmente 50% da companhia aérea, enquanto os privados, através da Atlantic Gateway possuem 45% e os trabalhadores do grupo 5%.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
General Ciresp 15.02.2018

A receita ja sabemos,agora falta-nos saber a despesa.Ou aqui tambem entra a teoria do deficiti LEX:nao se paga a ninguem?

pub