Mercados Pedro Rebelo de Sousa: "Novo código de governo das sociedades é menos impositivo mas é exigente"
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Pedro Rebelo de Sousa: "Novo código de governo das sociedades é menos impositivo mas é exigente"

O Instituto Português de Corporate Governance (IPCG) criou um código de governo das sociedades que irá substituir o da CMVM. Pedro Rebelo de Sousa considera que o novo código é menos impositivo, mas que cria uma responsabilidade acrescida nas empresas.
Pedro Rebelo de Sousa: "Novo código de governo das sociedades é menos impositivo mas é exigente"
Miguel Baltazar
Rui Barroso 18 de Outubro de 2016 às 00:01

O código de governo das sociedades do Instituto Português de Corporate Governance (IPCG) irá substituir o código da CMVM. Pedro Rebelo de Sousa, presidente do conselho geral do IPCG e que liderou a direcção da

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas


Os ladrões de esquerda


PS ROUBA OS TRABALHADORES DO PRIVADO

A realidade escondida do défice estrutural no financiamento das pensões da FP (CGA).

Em 2015, as quotas pagas pelos trabalhadores e as contribuições das entidades empregadoras públicas cobriram apenas 38% das despesas com pensões da CGA.

Nesse ano, o Estado contribuiu através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) com mais de 4,6 mil milhões de euros para assegurar o financiamento das pensões da CGA.

Conclusão: Os trabalhadores do privado estão fartos de pagar impostos cada vez mais altos para suportar os privilégios desta malta, que gosta de ser sustentada pelos outros.

1 SÓ PAFAS, MIL NIKS Há 3 semanas

O MESMO IP DENUNCIA O PATETA INTRUJÃO A SOLDO DA PAFAS QUE ANDA NUMA DESTE JORNAL A DEBITAR A MESMA TONTERIA !

A VERDADE DÓI MAS O MELIANTE FOI DESCOBERTO.


FORÇA PATETA ANÓNIMO,OBSERVADOR,ETC!

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub