Turismo & Lazer Peixe português com assinatura de chef? Sai mais um

Peixe português com assinatura de chef? Sai mais um

Portugal é um dos países que mais consome peixe no mundo. Das 190 espécies existentes na costa nacional, nem todas chegam às mesas nacionais. Os chefs querem aproveitar o que o mar lhes dá e contrariar a importação de pescado. Sem esquecer a sustentabilidade.
Fotogaleria: À cozinha só chega o que vem à rede. Fotogaleria: À cozinha só chega o que vem à rede. Fotogaleria: À cozinha só chega o que vem à rede. Fotogaleria: À cozinha só chega o que vem à rede. Fotogaleria: À cozinha só chega o que vem à rede. Fotogaleria: À cozinha só chega o que vem à rede. Fotogaleria: À cozinha só chega o que vem à rede. Fotogaleria: À cozinha só chega o que vem à rede. Fotogaleria: À cozinha só chega o que vem à rede. Fotogaleria: À cozinha só chega o que vem à rede. Fotogaleria: À cozinha só chega o que vem à rede. Fotogaleria: À cozinha só chega o que vem à rede. Fotogaleria: À cozinha só chega o que vem à rede. Fotogaleria: À cozinha só chega o que vem à rede. Fotogaleria: À cozinha só chega o que vem à rede. Fotogaleria: À cozinha só chega o que vem à rede. Fotogaleria: À cozinha só chega o que vem à rede. Fotogaleria: À cozinha só chega o que vem à rede. Fotogaleria: À cozinha só chega o que vem à rede.
Wilson Ledo 23 de Outubro de 2016 às 11:00

Havia uma lista negra para o jantar de sábado, 15 de Outubro. No Vista Restaurante não entram robalo, carabineiro, espadarte ou bacalhau. Quatro chefs tinham de trabalhar com o "não" do mar. À cozinha só chega o que vem à rede.

Esta é a segunda edição do Mar Adentro, evento organizado pelo Bela Vista Hotel e pela Amuse Bouche. O objectivo: dar a conhecer os produtos nacionais e colocá-los no circuito gastronómico, respeitando a sustentabilidade do sistema marítimo.


"O peixe é a minha paixão, um bem precioso que temos", começa por dizer Pedro Bastos, director-comercial da Nutrifresco, empresa algarvia de comércio de pescado. Nos bastidores do evento, quem o conhece diz que se apaixonou pelo mar em criança. Hoje segue os barcos através do telemóvel e sabe que produtos trazem à lota.


Num mundo onde os grandes da indústria ditam tendências de consumo, algumas espécies podem ficar em risco. Em Portugal, o maior consumidor de peixe da União Europeia e um dos maiores do mundo, grande parte continua a ser importada. Porque não aproveitar, de forma sustentável, as 190 espécies que as águas nacionais têm para oferecer?


"Desta vez vamos dar um pouco mais de sossego ao robalo". Mesmo com as dificuldades sentidas para mobilizar os profissionais do mar a diversificarem a sua pesca e com as regras pouco definidas para o sector em Portugal, Pedro Bastos acredita que é possível. Para isso arranjou quatro aliados neste jantar em Portimão.


Leonel Pereira do São Gabriel, Hugo Nascimento da Peixaria da Esquina, João Oliveira do Vistas e Carlos Fernando do Loco. Com a maioria a representar uma nova geração de profissionais da cozinha, aceitaram o desafio de trabalhar com aquilo que o mar lhes deu. Havia planos para ter ferro-de-engomar, um molusco que se pode encontrar no Algarve, mas não foi possível. "Contactei mais de dez pessoas", exemplifica Pedro Bastos.


Com uma estrela Michelin, Leonel Pereira não teve muitas dúvidas sobre que peixe usar. Este ano comprou carapau amarelo em Olhão e não ficou com dúvidas: "Foi o melhor peixe que comi este ano". Depois juntou a pescada, apresentada como uma alternativa ao bacalhau importado da Noruega. Na carta do São Gabriel tem este peixe desde Março.


Hugo Nascimento, braço direito de Vítor Sobral, brincou com o berbigão. "É selvagem, ao contrário da amêijoa que é cultivada. Como é que uma coisa tão pequena tem uma personalidade tão forte?", pergunta-se. No prato principal, a viagem foi até aos Açores com a bicuda.


Tudo se completa com o chef anfitrião, João Oliveira, a explorar o sabor do cavaco, das cracas e da anchova. Em conjunto, optaram por não ir contra a natureza. Pelo contrário, aproveitá-la e tirar dela o melhor partido. Com o resultado à prova nos pratos – e na boca.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
A grande culinária já existe no Portugal profundo Há 1 semana

Como muito bem diz o comentador das 14:39, algumas das “criações" dos "grandes" chefs de pratos com uma amostra de comida, no centro do prato, além de não parecerem mais do que uma cagadela de pássaro, são uma barrigada de fome, que, ainda por cima, é paga a preço de ouro.

POR AMOR DE DEUS, A COMIDA É PARA A BOCA Há 1 semana

Essa dos chefs e das estrelas Michelin fazem-me rir.
Prefiro mil vezes um bom prato saboroso feito num obscuro restaurante alentejano ou beirão ou trasmontano aos arremedos ridículos das chamadas “criações” culinárias.
Vi, ontem, a “sublime criação” de almôndegas embrulhadas em folhas de um livro

Anónimo Há 1 semana

Quantas pessoas em portugal podem pagar o peixe?Quantas pessoas em portugal sabem trabalhar o peixe para alem do peixe da marmita?Mais grave a juventude nao quer ter peixe no prato em vez disso querem ver o prato coberto por uma PIZZA.A juvente nao gosta da generalidade,

pub
pub
pub
pub