Energia Pela primeira vez em 135 anos, Reino Unido não queimou carvão durante 24 horas

Pela primeira vez em 135 anos, Reino Unido não queimou carvão durante 24 horas

O carvão ainda é a fonte de energia mais utilizada, mas a produção de electricidade a partir de fontes renováveis tem vindo a crescer nos últimos anos.
Pela primeira vez em 135 anos, Reino Unido não queimou carvão durante 24 horas
Reuters
André Cabrita-Mendes 14 de Novembro de 2016 às 16:12
5 de Maio de 2016. Esta é uma data histórica para o sector de energia no Reino Unido. Pela primeira vez em 135 anos, o Reino Unido não queimou carvão durante um dia inteiro para produzir electricidade.

A efeméride foi assinalada num relatório sobre as tendências do mercado energético britânico da autoria da energética Drax em colaboração com a universidade Imperial College de Londres.

O relatório aponta também que durante o terceiro trimestre deste ano, o Reino Unido produziu electricidade durante quase seis dias sem queimar carvão.

"Esta situação deverá manter-se no futuro à medida que as fontes de energia com baixo carbono, em particular as renováveis, continuam a crescer na carteira de energia do país", pode-se ler no documento divulgado esta segunda-feira, 14 de Novembro.

"A perspectiva é positiva; 2016 pode ter sido o ano mais limpo na electricidade no Reino Unido até agora, mas não vai ser o mais limpo de todos", acrescenta.

Apesar dos avanços, o Reino Unido continua muito atrás de países como Portugal no campo das renováveis. Em Maio, Portugal foi abastecido durante mais de quatro dias com electricidade produzida exclusivamente a partir de energias renováveis. 

Olhando de novo para o Reino Unido, mais de 50% da energia produzida durante o terceiro trimestre teve origem em fontes de energia de baixo carbono. Há cinco anos, estas fontes constituíam apenas 25% da energia produzida, sendo que o carvão liderava isolado entre as fontes utilizadas para produzir energia.

De entre as fontes com baixas emissões, destaca-se a energia nuclear, responsável por 26% da energia produzida. Recorde-se que o novo Governo britânico comprometeu-se a avançar com a construção da nova central nuclear no país, depois do projecto de Hinkley Point ter corrido o risco de não avançar.

Já a energia eólica foi responsável por 10% da energia produzida, sendo também a maior fonte de energia renovável. É de destacar que a produção de energia a partir do vento cresceu 150% em cinco anos no Reino Unido.

O Reino Unido é o sexto maior produtor mundial de energia eólica, atrás da China, Estados Unidos da América, Índia, Alemanha e Espanha.

A EDP Renováveis é uma das empresas que está a investir na produção de energia renovável no Reino Unido. A eléctrica detém 100% do capital da Moray Offshore Renewable, projecto eólico 'offshore' (em mar) que prevê a construção e operação de 1.116 MW, potência suficiente para abastecer cerca de 700 mil habitações. 

Em Junho, o presidente executivo do grupo EDP, António Mexia, admitia que o projecto eólico no mar da Escócia iria sofrer atrasos devido ao processo do Brexit.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
solarcombo Há 1 semana

Excelentes novidades!

Anónimo Há 2 semanas

Noticia encomendada, então a 5 de Maio de 2016 e só agora chega a noticia! é a rede para suportar a EDPR, loby Mexia a trabalhar para ver se apanha algum cego.

pub
pub
pub
pub