Defesa Pentágono e Lockheed acordam redução de 8% nos custos dos F-35

Pentágono e Lockheed acordam redução de 8% nos custos dos F-35

Cada novo jacto vai custar à administração Trump menos de 88 milhões de euros, comparado com o preço unitário anterior de 94,5 milhões de euros. Envolvimento do presidente permitiu acelerar negociação, refere a empresa.
Pentágono e Lockheed acordam redução de 8% nos custos dos F-35
Bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 04 de fevereiro de 2017 às 15:13

A Lockheed Martin chegou a acordo com o Departamento de Defesa norte-americano para cortar nos custos do programa de desenvolvimento dos caças F-35.

Com o entendimento, revelado esta sexta-feira, 3 de Fevereiro, pelo fabricante aeronáutico, o Financial Times refere que o erário público deverá conseguir uma poupança próxima de 8% em relação ao anterior contrato. 

Os novos termos do contrato para o fornecimento de 90 aviões F-35 (inicialmente avaliado em 8.200 milhões de dólares - cerca de 7.600 milhões de euros à cotação actual) deverão assim permitir uma poupança de 675 milhões de euros.

A partir desta entrega - a décima -, cada jacto custará menos de 88 milhões de euros, comparado com o preço unitário de 94,5 milhões de euros na fase de entrega anterior. 

Segundo o FT, que cita um comunicado da empresa, foi o envolvimento do próprio presidente norte-americano, Donald Trump, que permitiu acelerar as negociações.

"O acordo foi alcançado numa questão de semanas e representa poupanças significativas em relação aos anteriores contratos. Este é um bom negócio para os contribuintes norte-americanos, para o nosso país, a nossa empresa e os nossos fornecedores," lê-se no comunicado.

Em Dezembro, o então presidente eleito criticou fortemente os custos associados ao programa, numa publicação no Twitter.

"O programa e o custo dos F-35 está fora de controlo. (...) Milhares de milhões de dólares podem e vão ser ser poupados em compras militares (e outras) depois de 20 de Janeiro [data da sua tomada de posse]," escreveu na altura.

A CNN diz contudo que o Pentágono já vinha trabalhando com o fornecedor para reduzir os custos desde que o programa foi reestruturado em 2011 e que havia indicações de redução progressiva de preços até 2019.

Os 90 aparelhos em causa destinam-se a fornecer os serviços militares dos EUA (55 aparelhos) e parceiros internacionais (os restantes 35).

As acções da Lockheed Martin terminaram a sessão desta sexta-feira, 3 de Fevereiro, a valorizar 0,99% para 254,46 dólares.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz 05.02.2017

ANEDOTA

investidor1 04.02.2017

https://goo.gl/forms/3J12TVuOqjtlvqIP2

Obrigado!

pub
pub
pub
pub