Banca & Finanças Permanência da Allianz pode tirar BPI do PSI-20

Permanência da Allianz pode tirar BPI do PSI-20

A Allianz ficou no capital do BPI, mantendo a posição de 8,43%. Concentração do capital do banco em dois accionistas reduz as possibilidades de banco se manter com peso no PSI-20, o principal índice da Euronext Lisboa.
Permanência da Allianz pode tirar BPI do PSI-20
Paulo Duarte/Negócios

O grupo segurador alemão, Allianz, mantém-se como accionista do BPI após a oferta pública de aquisição (OPA) do CaixaBank, confirmou o Negócios. A permanência deste accionista de regência permite ao BPI manter-se cotado, mas poderá ditar a sua saída do PSI 20, principal índice bolsista da Euronext Lisboa.

 

Com a saída de Isabel dos Santos do BPI, a posição de 8,43% que a Allianz mantém no BPI, a seguradora alemã assume o lugar de segundo maior accionista do banco, atrás do hegemónico CaixaBank, com 84,51% da instituição.

 

No entanto, ao manter-se como accionista, a Allianz vai contribuir para a concentração de capital do banco e para a redução do "free float", o que pode levar o BPI a ser excluído da carteira do PSI 20. A Euronext Lisboa decide esta quarta-feira, 8 de Fevereiro, a continuidade do BPI na composição do PSI 20.

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub