Turismo & Lazer Pestana leva Cristiano Ronaldo para Marrocos

Pestana leva Cristiano Ronaldo para Marrocos

O novo hotel abrirá em Marraquexe. O grupo hoteleiro arrendará o edifício, que espera abrir portas dentro de 18 meses. O Pestana CR7 Marrakech faz parte de um plano de expansão de 200 milhões de euros até 2020.
Pestana leva Cristiano Ronaldo para Marrocos
Miguel Baltazar
Wilson Ledo 24 de janeiro de 2018 às 11:39

O grupo Pestana anunciou esta quarta-feira, 24 de Janeiro, que irá levar a marca hoteleira CR7 para Marrocos. A parceria com Cristiano Ronaldo vai realizar-se em Marraquexe, num hotel com 164 quartos.

O projecto deverá abrir portas dentro de 18 meses, em regime de arrendamento. Por isso mesmo, o investimento do grupo fundado por Dionísio Pestana dar-se-á apenas em termos de imobiliário e decoração, explicou José Roquette (na foto), responsável pela área de desenvolvimento do grupo.


Localizado entre os concorrentes Four Seasons e W Hotels, o Pestana CR7 Marrakech encontra-se integrado no complexo M Avenue, que conta com uma componente imobiliária e cultural. O novo hotel distingue-se por ter 80% da sua oferta como suites, contando ainda com piscina e bar no terraço.


A parceria com o futebolista Cristiano Ronaldo já viu abrir hotéis no Funchal e em Lisboa. Há também projectos em desenvolvimento em Madrid e Nova Iorque.


Até 2020, o grupo Pestana tem em marcha um plano de investimento de 200 milhões de euros: estão previstos 20 novos hotéis, com cerca de três mil quartos. Deste modo, será superada a fasquia dos 100 hotéis e dos 15 mil quartos em todo o mundo. Mais de metade deste plano será aplicada em Portugal.


José Roquette lembrou que, nos últimos seis anos, o grupo abriu 20 hotéis, com uma média de investimento de "50 milhões por ano". "Acreditamos que 2018 não irá desiludir e irá provavelmente ser até melhor, com as novas aberturas", anteviu.


Ainda sem contas fechadas, o negócio hoteleiro do grupo Pestana deverá ter fechado 2017 com um EBITDAR (receitas após despesas, juros, impostos, depreciações, amortizações e custos de reestruturação e arrendamento) de 125 milhões de euros, acima dos 112 milhões do ano anterior.

(Notícia actualizada às 13:21 com mais informação)




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
paulo Há 4 semanas

Sr Ledo tem que ler mais sobre economia, sobretudo o significado dos acronimos. Va, va la estudar e bocadinho e volte a escrever o artigo sff

Anónimo Há 4 semanas

enquanto houverem doentes nos estadios...é um rabofe de dinheiro...LOL..

pub