Empresas Peter Villax: agência do medicamento foi transformada num "debatezinho regional"

Peter Villax: agência do medicamento foi transformada num "debatezinho regional"

O presidente da Associação de Empresas Familiares e da Hovione Capital considera que o debate em torno da localização da Agência Europeia do Medicamento, Lisboa ou Porto, "foi "um tiro no pé".
A carregar o vídeo ...
Celso Filipe Rosário Lira 01 de julho de 2017 às 21:00

Peter Villax, presidente da Associação das Empresas Familiares e CEO da Hovione Capital considera que Portugal deu "um tiro no pé" com a discussão sobre a localização da Agência Europeia do Medicamento.

Para o empresário, a discussão Lisboa ou Porto transformou "uma questão nacional num debatezinho regional". Para o empresário esta discussão é impeditiva para a candidatura de Portugal e revela uma "falta de sentido de nação". O Governo é que tem competência para decidir.

Na Conversa Capital, um entrevista conjunta do Negócios e da Antena 1, Peter Villax diz que é fundamental, para Portugal ser escolhido, que existam escolas internacionais capazes de receber os 600 filhos dos funcionários desta agência que vai sair de Londres, na sequência do Brexit.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 02.07.2017

As pessoas precisam de um Estado que seja bom gestor da coisa pública e pessoa de bem. Um Estado que faça boa gestão de recursos humanos despedindo onde e quando é preciso e que saiba investir em bens de capital onde e quando é necessário. Isto é o que Portugal não tem. Isto é o que falta às pessoas. O radicalismo sindical é tão nocivo como o corrupto capitalismo selvagem de compadrio. Quer uns quer outros atiram a coisa pública para os braços dos aproveitadores sem escrúpulos, para os bandidos e para os incompetentes.

pertinaz 01.07.2017

TEM RAZÃO... CONVERSETA DE ESCUMALHA... HÁ MESES QUE SE SABE QUE A EMA NÃO VIRÁ PARA PORTUGAL...

pub