Energia Petrobras com terceiro maior prejuízo da sua história

Petrobras com terceiro maior prejuízo da sua história

A petrolífera estatal brasileira agravou as perdas no terceiro trimestre, ao mais do que quadruplicar os seus prejuízos, com as imparidades a pesarem fortemente.
Petrobras com terceiro maior prejuízo da sua história
Bloomberg
Carla Pedro 11 de Novembro de 2016 às 01:23

A Petrobras registou um prejuízo de 16,45 mil milhões de reais (cerca de 4,5 mil milhões de euros) no terceiro trimestre deste ano, contra perdas de 3,76 mil milhões de reais no período homólogo do ano passado.

 

Tratou-se do terceiro maior prejuízo da história da petrolífera brasileira, apenas ultrapassado pelos 36,9 mil milhões de reais reportados no quarto trimestre de 2015 e pelos 26 mil milhões no terceiro trimestre de 2014.

 

A pesar no resultado líquido negativo da empresa estiveram sobretudo as imparidades no valor de 15,7 mil milhões de reais (4,25 mil milhões de euros) decorrentes de factores como as variações cambiais e a queda dos preços do crude, referiu a empresa no seu relatório e contas.

 

Além disso, também a reavaliação de activos da companhia - como alguns campos de produção de petróleo e gás, equipamentos, e parte das instalações da refinaria de Abreu e Lima e do complexo químico de Suape – contribuiu para as perdas. "Na prática, a Petrobras reconheceu que os seus activos valem menos e lançou isso no seu balanço financeiro", sublinha o jornal O Globo.

 

Já as receitas caíram para 70,4 mil milhões de reais, contra uma facturação de 82 mil milhões no terceiro trimestre de 2015. A estimativa média de quatro analistas inquiridos pela Bloomberg apontava para vendas na ordem dos 74 mil milhões.

 

Grande parte das receitas da Petrobras são obtidas no Brasil, onde a recessão de dois anos penalizou a procura de combustíveis para veículos, recorda a agência noticiosa.

 

Já o EBITDA (resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações) ajustado foi de 21,6 mil milhões de reais (5,8 mil milhões de euros), quando os analistas consultados pela Bloomberg projectavam 20,7 mil milhões em média. A empresa refere, no seu comunicado, que este valor é 6% superior ao trimestre anterior, "em função do aumento da produção e exportação de petróleo e de menores gastos com importações".

 

A petrolífera – que está a ser investigada no âmbito da Operação Lava Jato, devido a um escândalo de corrupção – acumula um prejuízo de 17,3 mil milhões de reais (4,7 mil milhões de euros) entre Janeiro e Setembro. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Uma lula gigante a ir ao fundo Há 4 semanas

Pelo aspecto e dimensão da coisa é muito aparentada aos nossos bancos e cgd. Também por lá passou um espirito não santo e comilão que deixou registo na tal da Tortura em Democracia do mestre português conhecido pela sabedoria do fax domingueiro

pub
pub
pub
pub