Energia Petrolífera dos EUA acusa venezuelana de fraude ao transferir refinaria para empresa russa

Petrolífera dos EUA acusa venezuelana de fraude ao transferir refinaria para empresa russa

Em Outubro de 2016, a ConocoPhillips já tinha processado a PSDVSA por usar 50,1% da Citgo também como garantia de uma dívida.
Petrolífera dos EUA acusa venezuelana de fraude ao transferir refinaria para empresa russa
Reuters
Lusa 12 de janeiro de 2017 às 20:25
A norte-americana ConocoPhillips iniciou uma ação legal, nos Estados Unidos, contra a estatal Petróleos de Venezuela SA (PDVSA), que acusa de ter "transferido fraudulentamente" 49,9% da refinaria Citgo para a petrolífera russa Rosneft.

A acção, segundo o diário norte-americano Latin American Herald Tribune, foi interposta num tribunal federal de Wilmington, no Estado do Delaware, e a transferência das acções foi feita como garantia de um empréstimo de 1,5 mil milhões de dólares (1,4 mil milhões de euros).

A Citgo Petroleum Corporation é uma empresa refinadora de petróleo e comercializadora de gasolina, lubrificantes e petroquímicos nos Estados Unidos e é a maior filial da estatal PDVSA fora do país.

Tem sede em Houston, no Estado do Texas, e explora 6.000 estações de abastecimento de combustível, três refinarias e 48 terminais de armazenagem e distribuição.

A ConocoPhillips, que tem a sede também em Houston, é considerada a segunda maior empresa independente da área de energia, com actividades de exploração de petróleo, gás natural, produção e transporte de químicos, nos Estados Unidos.

Em Outubro de 2016, a ConocoPhillips já tinha processado a PSDVSA por usar 50,1% da Citgo também como garantia de uma dívida.

Segundo a empresa norte-americana, a PDVSA procura evitar o pagamento de indemnizações a empresas estrangeiras pelo confisco de campos petrolíferos na Venezuela.

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub