Energia Petrolíferas respondem ao Governo: Margens comerciais desceram enquanto a carga fiscal cresceu

Petrolíferas respondem ao Governo: Margens comerciais desceram enquanto a carga fiscal cresceu

O Governo pediu um estudo sobre os preços dos combustíveis à Autoridade da Concorrência. Em reacção, o sector diz que as margens comerciais recuaram, enquanto a carga fiscal aumentou.
Petrolíferas respondem ao Governo: Margens comerciais desceram enquanto a carga fiscal cresceu
Bruno Simão
André Cabrita-Mendes 10 de Janeiro de 2017 às 16:34

As petrolíferas vieram a público responder ao Governo. O sector diz que desde 2012 as margens comerciais têm vindo a recuar, ao mesmo tempo que a carga fiscal tem vindo a subir.

A Associação Portuguesa das Empresas Petrolíferas (APETRO) diz que entre 2012 e 2016 a carga fiscal no gasóleo cresceu 8,5 cêntimos por litro, enquanto na gasolina subiu 8,3 cêntimos por litro.

A APETRO, liderada por António Comprido (na foto), diz que "é perfeitamente natural" que a margem bruta do sector petrolífero tenha aumentado percentualmente, pois com a descida do preço média de venda ao público (PMVP), esta margem passou a pesar mais no preço face ao valor total.

"Não significa isto que a margem comercial do sector petrolífera tenha aumentado, tendo-se, aliás, verificado exactamente o contrário", defende a associação que representa empresas como a Galp, Repsol, Cepsa, BP ou a Prio.

Esta reacção surge depois do Governo ter pedido à Autoridade da Concorrência para estudar o crescimento das margens das petrolíferas. 

"Saudamos a iniciativa, mais uma a juntar a outras já realizadas, que vão ao encontro da nossa política de transparência e rigor", pode-se ler no comunicado divulgado pela APETRO esta terça-feira, 10 de Janeiro.

A tutela aponta que entre 2012 e 2016 a margem bruta da gasolina do preço final antes de impostos cresceu 11 pontos percentuais, enquanto a mesma margem no gasóleo cresceu 6 pontos percentuais, segundo avançou o Expresso no dia 7 de Janeiro.

"No sentido de se determinar com o devido rigor e independência se se confirma ou não uma mudança significativa ao nível da formação dos preços, nomeadamente ao nível de um aumento da margem comercial, gostaria de solicitar um estudo para questões de falha de mercado", escreveu o secretário de Estado da Energia à Autoridade da Concorrência. 


Jorge Seguro Sanches disse que a margem bruta do sector petrolífero "tem vindo a aumentar de forma particularmente significativa, desviando-se significativamente do que vinha sendo a sua média histórica".




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Este senhor que esclareça se as margens brutas baixaram entre 2005 e 2012, com a subida brutal do preço final da gasolina e gasóleo... também nunca os vi a explicar porque os combustíveis (Antes de impostos) são dos mais caros da Europa num País com um dos níveis de vida mais baixo.

Anónimo Há 1 semana


A ladroagem de esquerda

AS CLASSES SOCIAIS EM PORTUGAL:

1. Burguesia = Os Patrões

2. Nobreza = Os Ladrões FP / CGA

3. Povo = Os Trabalhadores e Pensionistas do privado (que são tratados como escravos e roubados para sustentar as 2 classes privilegiadas)

pub
pub
pub
pub