Bolsa Pharol recua com saída do BCP. Banco ganha terreno

Pharol recua com saída do BCP. Banco ganha terreno

O BCP deixou de ser accionista da antiga PT SGPS, onde detinha mais de 6%. A instituição financeira ganhou terreno, mas a "holding" que é accionista da Oi perdeu mais de 1%.
Pharol recua com saída do BCP. Banco ganha terreno
Pedro Elias/Negócios

A Pharol, que deixou hoje de ter o Banco Comercial Português como accionista de referência, perdeu hoje terreno em bolsa. Já o banco presidido por Nuno Amado valorizou no dia em que vendeu essa participação na empresa portuguesa.

 

As acções da empresa liderada por Luís Palha da Silva (na foto) recuaram 1,18% para valer 25,2 cêntimos. Foi a primeira queda após dois dias em alta. Foram transaccionados 5 milhões de títulos esta terça-feira, abaixo da média diária, nos últimos seis meses, de 6,3 milhões. A descida da Pharol em Lisboa ocorre apesar de a sua participada Oi estar a ganhar 4% em São Paulo.  

 

Já o BCP ganhou. A instituição financeira liderada por Nuno Amado somou 2,35% para 21,8 cêntimos, uma valorização que se segue a duas sessões seguidas a perder terreno. O volume esteve em linha com a média de 66 milhões de títulos transaccionados por sessão, nesta terça-feira em que se financiou em mil milhões de euros através de obrigações hipotecárias a cinco anos. O índice PSI-20 avançou 0,7%. 

Uma posição ganha com execução de crédito

 

A Pharol, antiga PT SGPS, foi hoje alvo de um comunicado que a liga ao BCP: a participação que o banco detinha na companhia foi alienada. A posição do BCP tinha sido construída em Agosto de 2015 e surgiu devido à execução de garantias dadas pela Ongoing em créditos que tinham sido concedidos pelo banco. Nessa altura, a participação de 6,17% da Pharol estava avaliada, a preços de mercado, em 15,3 milhões de euros. Esta terça-feira, tendo em conta a cotação actual, uma posição de 6,17% vale 13,9 milhões de euros.
 
Este mês, segundo o jornal Público, o BCP aceitou receber 56,5 dos 282,7 milhões a que tinha direito no âmbito do Processo Especial de Revitalização (PER) da Insight Strategic Investments, uma das poucas empresas que ainda existem do universo Ongoing, e que chegou a ter a posição na antiga Portugal Telecom.
 
A decisão do BCP de vender a posição na Pharol surge numa altura em que os títulos da antiga PT estão sob pressão. A empresa liderada por Palha da Silva detém 22,24% da brasileira Oi, que está em processo de recuperação e que tem sido penalizada pela instabilidade política que se vive no país e que tem tido reflexos nos activos brasileiros.

Além disso, o processo de insolvência da ESI e da Rioforte foi estendida, com as reclamações de crédito a poderem ser feitas até ao final de Setembro deste ano – a Pharol pede a devolução dos 897 milhões de euros investidos na Rioforte, do antigo Grupo Espírito Santo, mas só espera receber menos de 90 milhões aí colocados.

 

Não se sabe quem foi o comprador da posição vendida pelo BCP na Pharol. A brasileira Oi é a principal accionista da Pharol, com 10% do capital, seguida do Novo Banco, cuja participação ascende a 9,56%. 




A sua opinião22
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Porquê? 23.05.2017

Há falta de noticias com o mimino de fundamento e lógica, aparecem logo meia duzia de mentes iliumindas a fazerem comentários sem qualquer nexo .
a noticia é um vazio sem qualquer sentido e os comentários são outro grande vazio...

comentários mais recentes
Tereza economista 24.05.2017

Não sejam adivinhos, pois nada de sabe. Será qua a Altice não vai ficar com a maioria da pharol e da oi? O futuro próximo dará pistas.

Punto 24.05.2017

60% a subir em 3 meses incomoda muita gente e a demonstraçao de competencia da gestao ainda mais. Nem sabem que o core business de um banco é pedir emprestado para conceder credito. Sao 200 milhoes de poupanca, ah pois sao. E vai continuar a disparar. Mas é para cima, nao é como a Pharol

Anónimo 23.05.2017

Só visto. O mesmo fulaninho continua a comentar com vários nomes mas sempre com a mesma verborreia. As subidas do BCP fazem doer não é? Pois é. Parece que tu é que tens demasiado tempo livre. Assim não vais lá. Entretanto a caravana passa e os cães ladram!!!!

Little Bull 23.05.2017

Na minha opinião a valorização de hoje do BCP deve-se ao sucesso na colocação de mil milhões de euros em obrigações hipotecárias junto de investidores institucionais e não à saída da Pharol! Já a Pharol saiu a perder, pelo menos até se saber quem foi que comprou a parte do BCP

ver mais comentários
pub