Telecomunicações Pharol reduz prejuízos para menos de metade até Setembro

Pharol reduz prejuízos para menos de metade até Setembro

A accionista de referência da Oi terminou Setembro com prejuízos de 56,1 milhões de euros, um valor que é quase 60% inferior ao registado no mesmo período de 2015.
Pharol reduz prejuízos para menos de metade até Setembro
Paulo Zacarias Gomes 28 de Novembro de 2016 às 18:10
A principal accionista da brasileira Oi (com 27,2% do capital social total) encerrou o período entre Janeiro e Setembro com prejuízos de 56,1 milhões de euros, que comparam com 137 milhões de euros um ano antes, informou esta segunda-feira a empresa. 

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a empresa liderada por Luís Palha da Silva (na foto) justifica os valores com custos operacionais, desvalorização de opções de compra sobre acções da Oi e perda com a redução do valor expectável de recuperação do investimento na Rio Forte, que agora passa a ser de apenas 9,56%.

Os custos operacionais reduziram-se de 16,9 milhões de euros para 6 milhões de euros no espaço de um ano, enquanto a opção de compra sobre acções da Oi se depreciou em 5,1 milhões de euros. Já o ganho líquido relativo ao investimento da Oi teve um contributo positivo para as contas.

"O ganho líquido de 4,9 milhões de euros decorrente da reversão da imparidade registada sobre o investimento da Oi no montante de 225,6 milhões de euros mais do que compensou a apropriação dos prejuízos acumulados da Oi nos primeiros nove meses de 2016 no montante de 220 milhões de Euros," acrescenta a empresa.

"A Pharol continua fortemente empenhada em reduzir os riscos de variação de valor dos seus activos e em controlar muito estritamente os seus custos operacionais," garante Palha da Silva no comunicado.

As acções da Pharol encerraram o dia a cair 1,1% para 0,179 euros.

(Notícia actualizada às 19:24 com mais informação)



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 dias

Se aparecer 1 empresa ou entidade com lucros ela e ingolida pelas restantes.E impressionante:todos apresentam prejuizos assustadores mas sao os que vao passar a 4dra natalicia ao fim do mundo,coisa que no norte da Europa nao existe.RARO,raro porque acontece exactamente o contrario das empr. portugas

pub
pub
pub
pub