Tecnologias Gita, o robô autónomo da Piaggio que segue o utilizador para todo o lado

Gita, o robô autónomo da Piaggio que segue o utilizador para todo o lado

Prometem andar atrás do utilizador para todo o lado e ajudar no transporte e na mobilidade. São os primeiros dois produtos desenvolvidos pela unidade de investigação em mobilidade da marca italiana nos EUA.
Piaggio Piaggio Piaggio Piaggio Piaggio Piaggio Piaggio Piaggio Piaggio Piaggio Piaggio
Negócios 09 de fevereiro de 2017 às 12:52

A Vespa - criação mítica da italiana Piaggio - ganhou dois novos "irmãos", 71 anos depois do primeiro veículo de duas rodas do fabricante de motorizadas começar a circular pelas ruas e estradas.

O Gita e o Kilo foram apresentados na semana passada em Boston, nos EUA, e são os dois primeiros projectos da unidade de negócios "futuristas" PFF - Piaggio Fast Forward, o centro avançado de investigação em mobilidade sediado nos EUA.

Com 66 centímetros de diâmetro, uma forma cilíndrica e invólucro de plástico, o Gita (que pode ser traduzido por "saída" em italiano) é definido como um veículo autónomo que apoia pessoas. Um robô autónomo capaz de transportar até 18 quilos de peso, que comunica e interage com o ambiente e com o utilizador, seguindo-o em ambiente urbano.

Desta forma, funciona como uma mala de viagem ou um carrinho de compras que transporta os haveres do utilizador, seguindo-o a uma velocidade que alcança, no máximo, os 35 quilómetros por hora. E pode deslocar-se independentemente - e até em conjunto com outros Gita - se lhe for indicado um percurso através de georeferenciação.

"É um assistente para o dia-a-dia, desenhado para ajudar as pessoas enquanto andam, correm, pedalam ou se deslocam em skate de uma forma mais livre e produtiva," refere o site da Piaggio.

Já o Kilo é a versão robusta da Gita (à esquerda, na imagem em baixo). Tem três rodas - ao contrário das duas do Gita - e transporta até 100 quilos num compartimento de 120 litros.



A empresa não revela se e quando espera começar a comercializar os dois produtos nem quanto podem custar, mas estima começar a testá-los junto de potenciais clientes empresariais até ao fim deste ano.

A carregar o vídeo ...



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
investidor1 Há 2 semanas

https://goo.gl/forms/3f25LE6Qekr0VWo22

Obrigado.

pub