Aviação Pilotos promovem veículo para comprar 5% da TAP

Pilotos promovem veículo para comprar 5% da TAP

O Sindicato dos Pilotos acredita que os trabalhadores da TAP irão subscrever a totalidade dos 5% que lhe foram reservados, no âmbito da privatização da companhia. E está a promover a criação de um veículo que represente os futuros accionistas.
Pilotos promovem veículo para comprar 5% da TAP
Bruno Simão/Negócios
Celso Filipe 26 de janeiro de 2017 às 22:00
O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) está a dinamizar a criação de um veículo para participar na oferta pública de venda (OPV) de 5% do capital da TAP destinada aos trabalhadores.

David Paes, presidente do SPAC, adiantou ao Negócios que este veículo será aberto "a todos os trabalhadores da TAP" que queiram participar na OPV, a qual ainda não tem data marcada.

O líder dos pilotos acredita que a tranche de capital destinada aos trabalhadores será integralmente subscrita, caso o Governo "permita que no acto de venda se possa fazer ‘overbidding’", ou seja, uma licitação de acções acima daquilo que é oferecido. Questionado sobre a disponibilidade do Executivo para possibilitar este "overbidding", David Paes diz ter indicação da tutela, ou seja, do Ministério das Infra-estruturas, de que "este aspecto será contemplado".

Segundo David Paes, o SPAC irá dinamizar o processo de constituição deste veículo e divulgá-lo junto dos seus associados, "mas não terá qualquer ligação formal com este veículo", invocando dois motivos para adoptar esta atitude. "Por uma questão de princípio, consideramos que um sindicato não deve ser accionista de uma empresa. E também por razões de ordem prática", essa solução seria de difícil articulação, sublinha.

O SPAC tem promovido a constituição deste veículo junto dos outros sindicatos da TAP, com reacções "diferentes". Há uns que se afastaram do processo e outros que têm "uma visão mais próxima da nossa", explica David Paes. Contudo, a estratégia é de que "os trabalhadores adiram individualmente a este veículo".

Acordo de 1999 à mesa das negociações

Um dossiê ainda em aberto tem que ver com o acordo de 1999, no qual o Governo de então prometeu aos pilotos entre 10% a 20% da companhia em caso de privatização.
David Paes diz que tem havido conversas com o Executivo sobre esta matéria. "Estamos a ser capazes de trilhar um caminho que pode gerar resultados num futuro próximo. O assunto é complexo e exigirá um conjunto de passos significativos", diz, sem revelar pormenores.
 
O presidente do SPAC está confiante num desfecho favorável para ambas as partes. "Tenho tido sinais que me permitem acreditar que há vontade da parte do Governo em resolver o assunto, e esses sinais devem ser interpretados como positivos."

SPAC debate impacto do vínculo laboral na segurança 

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) vai promover um conjunto de conferências que têm como objectivo "posicionar a representação dos seus profissionais numa lógica que possa ser geradora de valor para os diversos ‘stakeholders’ na indústria". A primeira destas conferências terá lugar a 14 de Fevereiro e irá subordinar-se ao tema "O vínculo laboral e a segurança aeronáutica". Segundo o líder do SPAC, David Paes, existe uma relação diferente entre estes dois assuntos. "É evidente que os modelos de relação contratual com maior segurança do vínculo dão mais liberdade aos pilotos na tomada de posições", afirma.  Questionado sobre se isso significa que a segurança nas "low-cost" é menor, David Paes diz apenas ser "inegável" que nestas companhias a "tendência é a de os vínculos serem mais precários".




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 23 horas


A geração rasca… de esquerda

PS - PCP - BE - e seus apoiantes - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


A malta da esquerda sonha em roubar os patrões…

Como não consegue, rouba os trabalhados e pensionistas do privado!

comentários mais recentes
Anónimo Há 19 horas


A geração rasca… de esquerda

O BURACO ANUAL DA C.G.A. CUSTA MAIS DO QUE O RESGATE DE UM BANCO


O défice orçamental do OE 2017, é de 3016 milhões de Euros...

e o buraco anual das pensões dos ladrões FP / CGA em 2017, é de 4600 milhões de Euros.


CONCLUSÃO: SÓ EXISTE DÉFICE EM 2017, DEVIDO AO BURACO DA CGA!

JCG Há 21 horas

Um caso de elitismo petulante.

Os 5% estão reservados para os pilotos da TAP ou para todos os trabalhadores da TAP que são muitos mais que os pilotos?

Anónimo Há 22 horas

E os administrativos, técnicos, etc. não têm direito a participar na compra?

Ciifrão Há 23 horas

Para os pilotos o veículo tem de ser topo de gama, menos do que isso não se contentam.

ver mais comentários
pub