Empresas Pinto Balsemão critica "lixeira gigantesca" nas redes sociais e nos motores de busca

Pinto Balsemão critica "lixeira gigantesca" nas redes sociais e nos motores de busca

O presidente do grupo Impresa criticou este sábado, na cidade da Praia, a "lixeira gigantesca" nas redes sociais e nos motores de busca, salientando que são cada vez mais explorados para difusão de "mentiras e meias verdades".
Pinto Balsemão critica "lixeira gigantesca" nas redes sociais e nos motores de busca
Pinto Balsemão considera que as redes sociais e os motores de busca são cada vez mais explorados "para difusão de mentiras, meias verdades e factos alternativos".
Sofia A. Henriques/Negócios
Lusa 29 de julho de 2017 às 19:03

"A lixeira gigantesca nas redes sociais e nos motores de busca é cada vez mais explorada para difusão de mentiras, meias verdades e factos alternativos", criticou Francisco Pinto Balsemão, presidente do grupo Impresa e antigo jornalista, hoje, 29 de Julho, quando falava, na cidade da Praia, numa conferência sobre democracia e governança, num debate com o ex-primeiro-ministro cabo-verdiano José Maria Neves.

 

O também antigo primeiro-ministro português lembrou que isso sempre existiu e foi denunciado, mas notou que agora há "organizações montadas para difundir rapidamente notícias falsas".

 

Por isso, disse que a comunicação social pode desempenhar um papel importante, de "separar o trigo do joio", veicular opiniões sobre factos divergentes, para as pessoas decidirem consoante a sua própria vontade.

 

No capítulo do debate sobre a relação entre os partidos e a comunicação social, Pinto Balsemão disse que os media não podem ser considerados como o quarto poder, explicando que não foram eleitos.

 

Mas entendeu que os órgãos de comunicação social devem ser vistos como o "contrapoder", já que é a "outra face da moeda" capaz de fiscalizar os poderes instituídos.

 

Por sua vez, José Maria Neves disse que a relação entre partidos e comunicação é "sempre difícil, tensa e há uma desconfiança mútua", mas considerou ser "fundamental" para a democracia que haja liberdade de imprensa e a possibilidade do dissenso.

 

O ex-chefe de Governo entendeu também que os media não são o quarto poder, mas sim o centro do poder, onde os dissensos são importantes.

 

A conferência foi organizada pela Fundação José Maria Neves para a Governação, que mensalmente convida personalidades nacionais e estrangeiras para falar sobre determinado assunto.

 

Com o tema "Democracia e Governança: um Futuro a Construir?", foi a quarta conferência da fundação que nasceu em Abril último e que José Maria Neves é patrono e presidente.




pub