Empresas PJ investiga negócios ligados à contratação de aviões para combater fogos

PJ investiga negócios ligados à contratação de aviões para combater fogos

A PJ e o Ministério Público têm em curso duas investigações sobre contratos de aquisição de aeronaves para apurar se existe concertação de preços entre as concorrentes. Em Espanha, Itália e Chile também há suspeitas, escreve o JN.
PJ investiga negócios ligados à contratação de aviões para combater fogos
Cofina Media
Negócios 05 de setembro de 2017 às 15:00

A justiça portuguesa tem em curso duas investigações a alegadas irregularidades nos concursos de aquisição e manutenção de aeronaves de combate aos fogos, que estão ligadas e também partilham do facto de estarem ambas longe do fim. Essas empresas estão a ser investigadas em Espanha desde 2015 no caso "cartel do fogo". De acordo com o Jornal de Notícias, as autoridades portuguesas deverão seguir o mesmo guião que os espanhóis.

 

As autoridades do país vizinho investigam um grupo onde se destaca a empresa Avialsa, ladeada Faasa, Espejo, Martinez Ridao, Cegisa e Inaer (que entretanto passou a chamar-se Babcock). Este grupo combinaria alegadamente os preços das propostas, inflacionando o valor dos concursos ou deixando-os desertos, para subir o preço-base.

 

Em Portugal também deverá ser investigada a Agro-Montiar, de Tondela, que ganhou contratos e os sub-contratou à Avialsa. Em 2014 beneficiou de um ajuste directo de 1,8 milhões de euros, sem IVA, por despacho de um director da Protecção Civil, que foi autorizado pelo então ministro da Administração Interna, Miguel Macedo. No ano seguinte, a mesma empresa venceu um concurso no valor de cinco milhões de euros para ceder duas aeronaves.

 

O outro inquérito já levou a buscas em 2016 à empresa Everjets, devido à manutenção dos helicópteros Kamov.

 

A Faasa surge no processo Operação Labirinto, ligado aos vistos gold, quando Miguel Macedo entregou, três meses antes da abertura do concurso, o caderno de encargos a um amigo e empresário, Jaime Gomes, que estava ligado à empresa espanhola, prossegue o JN.




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 05.09.2017

mr tuga:
TEM CARRADAS DE RAZÃO!
O NEGÓCIO DOS AVIOES, É UM NEGÓCIO DA CHINA!
PARA NÃO FALAR NO TRATAMENTO QUE DÃO AOS INCENDIÁRIOS.
DETIDOS 92, PRESOS ZERO!
CULPADOS: QUEM FAZ A LAEI E QUEM A APLICA, UMA VEZ QUE NA MADEIRA PARECE HAVER OUTRA LEI:
O INCENDIÁRIO APANHOU 14 ANOS.
OUVIRAM BEM?
14 ANOS!

comentários mais recentes
Anónimo 05.09.2017

ACHO PIADA AQUELA ESPÉCIE DE MEIO AÉREO QUE DESPEJA UM BALDE ÁGUA QUE NEM CHEGA AO SOLO (JÁ VI EM ACTUAÇÃO REAL), DEVE SER APENAS PARA O ESPECTÁCULO
TELEVISIVO!

Anónimo 05.09.2017

E É PRECISO INVESTIGAR?
ALGUEM TÊM DÚVIADAS QUANTO AISTO?
MAS UM CASO PARO O JUIZ CARLOS ALEXANDRE LEVAR ATÉ ÁS CALENDAS!

Anónimo 05.09.2017

COMENTAR AQUI NO SEU JORNAL, NÃO OBRIGADO!
TRATA-SE DE UMA FRAUDE!

Anónimo 05.09.2017

INCÊNDIOS

MAIS UMA CONVERSA DE CHACHA!
ESTAS COISAS É BOM QUE FALHEM TAL COMO É BOM MANTER OS INCENDIÁRIOS Á SOLTA!
JÁ VIRAM QUE SE NÃO HOUVESSEM INCÊNDIOS ERA UM PREJUIZO PARA OS AVIÕES E HELICÓPTEROS QUE OS AQUEREM APAGAR?
E ATÉ PARA OS BOMBEIROS.
QUEM ME DERA RECEBER 1% DO MATERIAL CIRCULANTE QUE SE DESTINA A APAGAR OS FOGOS
ISTO JÁ PARECE A HISTÓRIA DOS INCÊNDIOS!

ver mais comentários
pub