Transportes Plano para a ferrovia só tem 15% das obras no terreno

Plano para a ferrovia só tem 15% das obras no terreno

Só há obras em dois projectos a decorrer, entre Nine e Viana do Castelo e entre Alfarelos e Pampilhosa. São 79 quilómetros.
Plano para a ferrovia só tem 15% das obras no terreno
Negócios 13 de fevereiro de 2018 às 11:16

Só 15% das obras previstas até agora no Plano de Investimeto em Infraestruturas Ferrovia se encontram no terreno, noticia o jornal Público desta terça-feira, 13 de Fevereiro.

O plano, apresentado há dois anos pelo Governo, previa obras em 1.193 quilómetros de linhas férreas, entre modernização e construção. Dos 528 quilómetros que deviam estar a ser alvo de intervenção até agora, só se registam obras em 79.


"Apenas a linha do Minho está verdadeiramente a ser modernizada, numa extensão de 43 quilómetros, entre Nine e Viana do Castelo", escreve o Público. Há ainda trabalhos entre Alfarelos e Pampilhosa.


O Público diz que, dos vinte projectos existentes, quatro deveriam estar já concluídos e 10 deveriam estar em obras, segundo o que está definido pelo plano.


Na maioria dos casos, o Ministério do Planeamento e Infraestruturas justifica o facto da calendarização não ser cumprida com os atrasos ocorridos na fase de estudos e projectos, bem como na avaliação de impacto ambiental.


"Mas muito deste atraso deve-se à paralisação a que a antiga Refer esteve sujeita quando se procedeu à sua fusão com a Estradas de Portugal. O novo gigante daí resultante tornou difícil o arranque das obras devido às violentas reestruturações realizadas que redundaram numa menor capacidade de decisão da componente ferroviária", explica o Público.


O jornal faz ainda uma retrospectiva e clarifica que nenhum plano ferroviário foi cumprido deste o Estado Novo.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 13.02.2018

Portugal e as suas obras no papel! Custa dizer isto mas o governo de Salazar foi o melhor e mais racional planificador e executor de obras que Portugal já alguma vez teve em toda a sua História! Nesse tempo ele tinha mão de ferro nas sanguessugas do regime!!!

Camponio da beira 13.02.2018

Passei há dias de comboio numa zona de obras. Mas até vinha distraido com o jornal mas fui "despertado" pelo intenso cheiro a suor que vinha lá de fora. A atenção que deram à passagem do comboio concerteza deu para contarem as pessoas que lá iam.

??? 13.02.2018

Querem ver que anda por aqui mão do Passos Coelho a dificultar a vida à geringonça? Ele ainda não notou que agora somos de novo ricos, temos bons carros e não precisamos do comboio para nada? Sendo assim, para quê gastar dinheiro neles? Ainda se fosse um TGV, vá que não vá, que é o que rico gosta.

General Ciresp 13.02.2018

Acho q os portugueses ja viram,caso nao sao marteloes:ou se gasta o dinheiro nas necessidades,ou nas gorduras:1gamela com 70 cabecas a volta dela nao permite q o dinheiro sobre para as necessidades,mesmo aquelas urgentes tais como sa casas q os incendios devoraram,as pessoas abandonadas n hospitais.

ver mais comentários
pub