Start-ups Plataforma de streaming de música angariou 600 mil euros através da Seedrs

Plataforma de streaming de música angariou 600 mil euros através da Seedrs

A Tradiio, uma plataforma nacional de streaming música, conseguiu captar um investimento de 600 mil euros através da plataforma de equity crowdfunding Seedrs. Com esta verba a start-up quer chegar aos Estados Unidos.
Plataforma de streaming de música angariou 600 mil euros através da Seedrs
Bruno Simão/Negócios
Ana Laranjeiro 15 de dezembro de 2016 às 12:24

Dois meses depois do lançamento da campanha de crowdfunding, a Tradiio alcançou o objectivo de angariar 600 mil euros, numa ronda que juntou mais de 120 investidores. Em troca a start-up portuguesa entregou 13% do seu capital. A operação avaliou ainda a empresa em quatro milhões de euros, de acordo com o comunicado enviado às redacções.

Com este investimento, a Tradiio quer internacionalizar e atingir o mercado norte-americano. "Agora vamos dar seguimento ao plano de internacionalização da Tradiio nos Estados Unidos a partir de Los Angeles", revela o CEO da Tradiio, Álvaro Gomez, em comunicado.


Com a concretização desta operação, a Tradiio tornou-se na quinta empresa nacional a captar financiamento através de vários investidores e da internet. E foi a maior operação de financiamento de sempre realizada por uma empresa nacional na Seedrs, fundada por Carlos Silva.


A Tradiio foi lançada em 2014
 como plataforma para lançamento de novos projectos de música. Actualmente tem um catálogo de 42 mil artistas. Através da plataforma, os utilizadores podem ajudar a financiar esses novos projectos musicais, em troca de conteúdos exclusivos. A empresa foi fundada por 
Álvaro Gomez, André Moniz e Miguel Leite. Depois de Portugal, Brasil e Inglaterra a Tradiio quer agora chegar aos Estados Unidos. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub