Comércio Polónia disponível para fechar comércio de dois em dois domingos

Polónia disponível para fechar comércio de dois em dois domingos

A ideia de encerrar o comércio aos domingos, numa base alternada, conta com o apoio do partido do Governo. A Jerónimo Martins faz 68% das suas vendas naquele país.
Polónia disponível para fechar comércio de dois em dois domingos
Ricardo Castelo
Diogo Cavaleiro 28 de setembro de 2017 às 07:44

A Polónia poderá mesmo avançar para o encerramento do comércio de retalho de dois em dois domingos. A proposta de colocar limites ao comércio aos domingos, que é discutida no país há vários meses, tem agora o apoio parcial do partido do governo, segundo adianta o jornal polaco Dziennik Gazeta Prawna.

 

De acordo com a informação avançada pela publicação, o Lei e Justiça, o partido que lidera o governo polaco, é favorável à proibição de comércio aos domingos, desde que de uma forma alternada. 

 

Só se os polacos lidarem bem com a questão é que a decisão poderá ter impacto todos os domingos. 

 

O tema é já discutido há meses, sendo que o comité parlamentar responsável pelo debate volta a reunir-se esta quinta-feira, 28 de Setembro. Conforme conta a BBC, a ideia de colocar limites à abertura de lojas comerciais ao domingo partiu do sindicato Solidariedade, com base numa petição.

 

Em Portugal, a notícia é particularmente relevante para a Jerónimo Martins que, através da Biedronka, está presente na Polónia. Nos primeiros seis meses do ano, o mercado polaco representou 68% das vendas alcançadas pelo grupo presidido por Pedro Soares dos Santos.

 

No documento de divulgação de contas semestrais, a Jerónimo Martins escreveu que um dos aspectos que marca a actividade na Polónia, além da "envolvente promocional" que tem ocorrido nos últimos anos, é a "inflação de custos, particularmente relacionados com o trabalho". A empresa ainda ontem abriu um centro logístico em Portugal, com os seus responsáveis a sublinhar que é "maltratada" em Portugal.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub