Aviação Ponce de Leão: "Cartelização nos voos para a Madeira é como se existisse"

Ponce de Leão: "Cartelização nos voos para a Madeira é como se existisse"

O presidente da ANA diz que não há cartel entre TAP e Easyjet nos voos para a Madeira, em termos técnicos e jurídicos. Mas quando analisados os preços dos bilhetes observa-se uma "constante".
Ponce de Leão: "Cartelização nos voos para a Madeira é como se existisse"
Pedro Elias/Negócios
Maria João Babo 14 de março de 2017 às 16:33

O presidente da ANA-Aeroportos de Portugal, Jorge Ponce de Leão, afirmou esta terça-feira, 14 de Março, no Parlamento que não há cartelização, em termos técnico-jurídicos, nos voos para a Madeira, mas "é como se existisse porque as máquinas o fazem".

 

Na comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, o responsável admitiu ter utilizado uma expressão "inapropriada" quando, em entrevista ao Negócios, referiu a existência de um cartel entre a Easyjet e a TAP nos voos para a Madeira.

 

No entanto, afirmou que "em termos objectivos o resultado final das condições de mercado para a Madeira é idêntico a uma cartelização". "Não estou a dizer que existe, mas se usar o mesmo algoritmo sobre a mesma realidade de mercado, constata-se no preço dos bilhetes", acrescentou.

 

De acordo com Ponce de Leão, apesar do preço médio da TAP e da Easyjet serem diferentes, verificamos uma "constante". "Não gerimos os preços dos bilhetes, mas não deixamos de os monitorizar", frisou.

 

"Não é preciso concertação nenhuma para que o mercado seja condicionado", afirmou, explicando que em datas em que há um feriado à quinta-feira, em épocas de festas ou de férias, o custo de viagem de quarto dias de quinta até domingo vai ser mais cara do que para os quatro dias anteriores. 

 

O presidente da ANA reconheceu que a dificuldade de atrair um terceiro operador para as ligações à Madeira está relacionada com o facto de a rentabilidade de uma operação na Madeira ser "errática", afectada quer pelas questões metereológicas quer pelas qualificações específicas exigidas às tripulações, que representam "custos adicionais que tornam menos seguro e fiável à operação na Madeira".

 

Para Ponte de Leão, a proposta apresentada pela Ryanair em que solicitava condições para voar para a ilha eram "condições que não podemos dar para não criar condições de discriminação".


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Manuel Oliveira 14.03.2017

Quem vive na ilha não se pode deslocar sequer de barco. Daí que tenha de adiantar balúrdios de euros aos aviões nas datas críticas e nem todos os têm. Indubitavelmente, a expressão do responsável da ANA não foi inapropriada, fugiu-lhe antes a boca para a verdade.

Rita 14.03.2017

Devem estar combinados com as gasolineiras, que em 500 Km de autoestrada, têm os preços 'constantes', ao cêntimo.

pub
pub
pub
pub