Indústria Ponte de Sor vai ter fábrica de máscaras de oxigénio para aviões supersónicos

Ponte de Sor vai ter fábrica de máscaras de oxigénio para aviões supersónicos

Uma empresa francesa que produz máscaras de oxigénio para aviões supersónicos vai construir uma fábrica em Ponte de Sor, no Alto Alentejo, num projecto "pioneiro em Portugal", revelou hoje à agência Lusa o presidente do município.
Ponte de Sor vai ter fábrica de máscaras de oxigénio para aviões supersónicos
Miguel Baltazar
Lusa 15 de dezembro de 2016 às 11:04

Segundo, Hugo Hilário, a empresa pretende arrancar com o projecto "entre Março e Abril de 2017", no Aeródromo Municipal de Ponte de Sor, distrito de Portalegre, prevendo criar "até 35 postos de trabalho".

 

Observando que, em Portugal, "ainda não é fabricado" este tipo de produto na área da aeronáutica, o presidente da câmara municipal indicou que a empresa francesa, já detentora uma unidade fabril em Espanha, quer "expandir o seu negócio no mercado europeu e nos países da lusofonia".

 

"Felizmente, conseguimos atrair para Ponte de Sor esta fábrica, após vários contactos entre as partes (câmara e empresa). O administrador da empresa visitou o aeródromo e manifestou total interesse face às nossas infra-estruturas e conteúdos já sediados naquela área", disse.

 

O autarca explicou que a empresa vai desenvolver inicialmente o projecto em infra-estruturas já existentes, no Aeródromo Municipal de Ponte de Sor, para, depois, "no espaço de um ano", avançar com a construção de uma nova infra-estrutura e ampliar a sua actividade.

 

"Nas infra-estruturas que vai construir, a empresa prevê investir cerca de um milhão de euros. Na primeira fase deste projecto vão ser criados cerca de 12 postos de trabalho e, a partir de 2018, entre os 25 a 35 postos de trabalho, o que é óptimo", disse.

 

Além da sede dos meios aéreos da Protecção Civil, o Aeródromo Municipal de Ponte de Sor, que tem uma pista de aviação com 1.850 metros, alberga um corpo permanente de intervenção, salvamento e socorro do aeródromo, uma empresa de componentes para aviões e uma empresa de manutenção de aviões ultraleves.

 

No aeródromo está ainda sediada uma unidade do Aeroclube de Portugal, com a vertente dos planadores, uma empresa de produção de drones, uma de componentes aeronáuticos e uma de manutenção aeronáutica, além de uma escola internacional de pilotos de aviação.

 

Ainda no mesmo espaço, está instalado um Campus Aeronáutico, que dá apoio aos alunos da academia de pilotos e onde é ministrado um curso superior de produção aeronáutica pelo Instituto Politécnico de Setúbal.

 

"Actualmente, o aeródromo já criou mais de 200 postos de trabalho. Nos próximos tempos vai ainda criar mais emprego, com a evolução de todas as infra-estruturas que lá existem", salientou o autarca.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 15.12.2016

um milhão para 25 postos de trabalho mas de fora do concelho que e o que esta a acontecer com os outros 200 os do concelho chucha no dedo como dizia o Hernane Carvalho Habitação social zero so para ciganos

pub
pub
pub
pub