Banca & Finanças Popular equaciona venda da sucursal em Portugal

Popular equaciona venda da sucursal em Portugal

O Banco Popular Portugal faz parte de uma lista de activos que a instituição espanhola pondera alienar para evitar a realização de outro aumento de capital.
Popular equaciona venda da sucursal em Portugal
Bloomberg
Rita Faria 10 de fevereiro de 2017 às 10:23

Depois de, no início do ano, ter decidido transformar o Banco Popular Portugal numa sucursal, o Banco Popular Espanhol equaciona agora vender esta unidade, como parte de um plano de reestruturação que, por cá, já se traduziu no encerramento de agências e na redução do número de trabalhadores.

 

Segundo avança o Cinco Días, citando várias fontes financeiras, o Banco Popular Portugal faz parte de um conjunto de activos que a instituição espanhola está a considerar alienar como plano alternativo à realização de outro aumento de capital, depois de os accionistas terem sido chamados a injectar 2,5 mil milhões de euros no banco, em Maio. Contactado pelo Negócios, o Banco Popular Portugal não comenta a notícia.

 

Além do Banco Popular Portugal, a instituição espanhola tem em cima da mesa a venda do Targobank (em que o Popular tem uma participação de 49% e o Crédit Mutuel de 51%), o negócio no México, a divisão de banca privada e o TotalBank, a sucursal do Popular nos Estados Unidos, para o qual o banco espanhol tem procurado compradores desde o verão passado.

 

Emilio Saracho, presidente do Banco Popular, está a levar a cabo um plano de reestruturação para devolver solidez à instituição financeira que fechou o ano de 2016 com um resultado negativo de 3.485 milhões de euros.

 

Em Portugal, esse plano traduziu-se na redução de cerca de 300 trabalhadores, através de rescisões por mútuo acordo e na eliminação de 47 agências, que limitou a presença do banco ao litoral e sul do país.

 

Após este emagrecimento da estrutura, o banco liderado por Saracho decidiu, no início de Janeiro, transformar o Banco Popular Portugal numa sucursal da instituição espanhola. Uma cisão que o Popular previu, na altura, estar concluída no terceiro trimestre deste ano. 




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 dia

Creio que não é só a sucursal Portuguesa, é o banco todo - vejam a notícia de hoje do Expansion:
http://www.expansion.com/empresas/banca/2017/02/22/58ac970722601d32358b45ff.html

Anónimo Há 1 semana

Foi o Amorim quem enfiou o barrete aos espanhóis do Banco Popular ! Até nisso tinha que estar metido um tuga vigarista !

pertinaz Há 1 semana

OS PORTUGUESES CONTINUAM A SER ENGANADOS PELOS POLÍTICOS

E OS POLÍTICOS CONTINUAM A DORMIR QUANTO AO PAPEL DE ESPANHA NA NOSSA ECONOMIA

ESTA NOTÍCIA É MAIS UM SINTOMA DO QUE AÍ VEM...

VAMOS A CAMINHO DO ABISMO

Camponio da beira Há 1 semana

Há aqui algo que não me cheira bem.Os bancos estrangeiros cá instalados vão vendendo o que têm cá. e só alguns espanhois chineses e angolanos compram. Parece-me estar-mos a perder nivel de categoria.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub