Banca & Finanças Popular recupera de mínimos com menor exigência de provisões

Popular recupera de mínimos com menor exigência de provisões

As acções sobem mais de 5% em Madrid, que é também uma das praças que mais avançam na Europa. Notícias dão conta de provisões menores que o esperado, mas há analistas que duvidam.
Popular recupera de mínimos com menor exigência de provisões
DR/Banco Popular
Os títulos do espanhol Banco Popular estão esta sexta-feira a recuperar uma pequena parte das perdas sofridas nos últimos dias, depois de uma notícia que dá conta de necessidades inferiores de constituir provisões para cobrir perdas.

As acções somam 5,4% para 0,527 euros em Madrid, interrompendo uma série de cinco sessões consecutivas de perdas em que os títulos chegaram a tombar 30,45% para 0,5 euros, tendo chegado a tocar nos 0,491 euros o que corresponde a um mínimo histórico.

Esta sexta-feira, 2 de Junho, o jornal Expansión avança que o banco acredita que a cobertura dos activos imobiliários obrigará a constituir novas provisões inferiores a 2 mil milhões de euros.

Porém, para o analista Daragh Quinn, da KBW, o relatório do Popular é "pouco convincente", estimando que as necessidades de aprovisionamento sejam de pelo menos 3,6 mil milhões de euros.

"Se as provisões fossem de facto menores de 2.000 milhões de euros, [o Popular] não estaria no estado em que estão agora," refere o especialista. "Poderão ter de vender alguns activos e aumentar mais capital para cobrirem as necessidades. Para mim, não é convincente."

O banco espanhol está a levar a cabo um processo de revisão do preço dos seus activos imobiliários e, para já, a expectativa é que tenha de registar descidas dos preços no seu balanço, para se adequar ao preço do mercado, o que leva à necessidade de constituir provisões – reconhecimento antecipado de eventuais perdas que se podem concretizar no futuro.

Segundo o Expansión, o processo de revisão da carteira do imobiliário do Popular está já concretizado na sua maioria, faltando apenas percorrer 20% do portefólio, o que o banco acredita conseguir fazer até ao final de Junho.

O Popular está à venda e aguarda, neste momento, que existam propostas vinculativas, embora o El Confidencial tenha indicado que foram solicitadas mais informações sobre a situação da instituição financeira, com o principal foco na evolução dos depósitos. O Expansión diz que é no final de Junho que se espera que haja, então, propostas vinculativas pelo banco no processo que está a ser liderado pelo JPMorgan.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
VEM AI O CANGURU BCP 02.06.2017

FALTAM só 13 dias para que aquele CANGURU que andou no MONTEPIO chegar ao BCP pois é já no dia 16 que a FINTCH vai subir os RATINGS DO MILENUM BCP e de PORTUGAL ALELUIA PORTUGAL VAI SAIR DA TRAMPA E DO LIXO e o BCP VAI PULAR 100 %

pub