Empresas Porminho investe 18 milhões e cria mais 30 empregos em Famalicão

Porminho investe 18 milhões e cria mais 30 empregos em Famalicão

A empresa de carnes Porminho, que factura mais de 40 milhões de euros e emprega 250 trabalhadores, vai investir cerca de 18 milhões de euros na ampliação das suas instalações fabris em Famalicão e criar mais 30 postos de trabalho.
Porminho investe 18 milhões e cria mais 30 empregos em Famalicão
Alcino Freitas, fundador da Porminho, com o filho Tiago Freitas, presidente da empresa.
Rui Neves 16 de outubro de 2017 às 12:51

A Porminho, que começou como um pequeno negócio de carnes, em Famalicão, em 1984, transformou-se numa das maiores empresas agro-alimentares do país, tendo fechado o último exercício com uma facturação de 41 milhões de euros

 

Para aumentar a sua capacidade de produção e de exportação, a Porminho, que emprega 250 pessoas, vai investir cerca de 18 milhões de euros na ampliação das instalações industriais e no reforço da área de investigação e desenvolvimento da empresa.

 

Um investimento que deverá gerar mais três dezenas de postos de trabalho, anunciou o município de Famalicão, em comunicado.  

 

Detida pela família Freitas, que já tem a segunda geração presente na administração da empresa, a Porminho tinha previsto receber, amanhã, 17 de Outubro, o ministro da Economia, Caldeira Cabral, "para ficar a conhecer o projecto de expansão e inovação que a empresa se prepara para colocar em prática", revelou a Câmara de Famalicão, cujo presidente, Paulo Cunha, deveria acompanhar Cabral nesta visita.

 

Mas, "em virtude do luto nacional decretado pelo Governo de Portugal, na sequência dos incêndios que devastaram o país neste fim-de-semana, o ministro da Economia cancelou a sua agenda oficial, que incluía para amanhã uma visita à Porminho", informou o município.


(Notícia actualizada às 14:52 com a informação de que a visita do ministro da Economia à Porminho, marcada para amanhã, 17 de Outubro, foi cancelada.)




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub