Portas: Investimento chinês "abre caminho às pequenas e médias empresas"
04 Julho 2012, 07:52 por Lusa
4
Enviar por email
Reportar erro
0
O ministro português de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, disse hoje que o investimento chinês em Portugal é um "processo potenciador de forte cooperação económica" bilateral susceptível de ser capitalizado também pelas pequenas e médias empresas.
"É hora de sabermos aproveitar o que essas parcerias podem potenciar e o caminho que podem abrir às pequenas e médias empresas portuguesas, competitivas e ambiciosas", disse Paulo Portas na abertura de um seminário económico China-Portugal, em Pequim.

O ministro português referia-se à entrada da China Three Gorges e da State Grid no capital da EDP e da REN, respectivamente, e à parceria no Brasil entre a Sinopec e a Galp.

"Através de parcerias entre as grandes empresas portuguesas e chinesas, as pequenas e médias empresas podem ter acesso a este mercado como fornecedores", afirmou.

"É o que eu chamo o ´efeito canguru´: grandes empresas abrem caminho a pequenas e médias empresas", acrescentou.

No último ano, a China Three Gorges pagou ao Estado português 2,7 mil milhões de euros por 21,35 por cento do capital da Edp, tornando-se o maior acionista da eléctrica portuguesa, a State Grid comprou 25 por cento da Ren (Redes Energéticas Nacionais) por 287 milhões de euros e a Sinopec investiu 4,8 mil milhões de dólares (3,81 mil milhões) na Petrogal Brasil.

"Foi um facto não frequente na União Europeia e que mostra a diferença de Portugal: três grandes companhias chinesas conquistaram posições em grandes companhias portuguesas, num processo transparente e competitivo, em que ganhou quem apresentar a melhor proposta", referiu Paulo Portas.

"Portugal teve uma posição aberta relativamente ao investimento chinês e sabe que há também uma posição aberta por parte da China em relação às exportações portuguesas", acrescentou.

Antes da abertura do seminário, Portas assistiu à assinatura de um acordo entre um produtor português de vinho (Quinta da Alorna) e um distribuidor chinês e de um protocolo de cooperação entre a AIP (Associação Industrial Portuguesa) e o Conselho Chinês para a Promoção do Comércio Internacional.

O ministro português dirigiu-se a seguir a Zhongnanhai, o Kremlin chinês, onde se encontrou com o "número dois" do Governo da China, o vice-primeiro-ministro executivo, Li Keqiang.

É a primeira visita de um ministro do actual Governo português à China, que se iniciou a 30 de Junho e termina a 08 de Julho.

4
Enviar por email
Reportar erro
0
pesquisaPor tags:
alertasPor palavra-chave: