Empresas Porto acusa Governo de querer proteger privados no terminal do Barreiro

Porto acusa Governo de querer proteger privados no terminal do Barreiro

A Associação Comercial do Porto (ACP) acusa o Governo de pretender “colocar o Estado na condição de avalista de investidores privados para garantir" a construção de um terminal portuário no Barreiro, uma infra-estrutura que considera "desnecessária, redundante e ruinosa”.
Porto acusa Governo de querer proteger privados no terminal do Barreiro
Miguel Baltazar
Rui Neves 02 de fevereiro de 2017 às 15:11

"Porto do Barreiro: a Ota do Mar". É assim, em tom provocatório, aludindo ao facto de o Governo ter trocado a Ota pelo Montijo para a construção de um novo aeroporto na região de Lisboa, que a Associação Comercial do Porto (ACP) reage à intenção assumida pela ministra do Mar no sentido de o Executivo liderado por António Costa fazer avançar a construção de um terminal portuário na margem sul do Tejo.

"Invocando argumentos desfasados da realidade portuária nacional, fica a sugestão de que o Governo pretende colocar o Estado português na condição de avalista de investidores privados para garantir uma infra-estrutura que é desnecessária, redundante e ruinosa", acusa a ACP, que é liderada por Nuno Botelho, que sucedeu no cargo a Rui Moreira, actual presidente da Câmara do Porto.

Sobre o estudo promovido pela ACP, que "prova que o porto do Barreiro não é necessário nem viável", a associação critica o facto de a ministra Ana Paula Vitorino, apesar de ter revelado publicamente que tinha recebido o documento intitulado "Terminais Portuários e Infra-estruturas Logísticas em Portugal", enviado em 29 de Junho do ano passado, a sua recepção "jamais havia sido confirmada".

De resto, frisa a ACP, "a forma como [a ministra] a ele se refere", em entrevista ao diário "Público", na edição de 29 de Janeiro passado, "revela, no entanto, o total desconhecimento quanto ao conteúdo daquele documento", algo que a instituição centenária do Porto considera "lamentável e preocupante".

Promovido pela ACP, o estudo foi desenvolvido pelo Centro de Estudos em Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa, no Porto, e pela consultora de transportes e território TRENMO, sob orientação de Álvaro Nascimento e de Álvaro Costa.

À luz das conclusões deste estudo, a ACP diz que "não pode deixar de manifestar publicamente a sua perplexidade pelo facto do Governo vir agora anunciar a intenção de construir no Barreiro um novo terminal portuário, como o que existe a funcionar em Alcântara, se houver operadores privados interessados".

Para a associação presidida por Nuno Botelho, "é difícil perceber que interesse terão empresas privadas em investir no Barreiro, a não ser que o Estado lhes venha assegurar os riscos do negócio, que vão ser certamente elevado", alerta.

"A construção de um terminal de contentores no Barreiro, seja qual for a sua configuração, não só não vai preparar o País para as perspectivas de crescimento de tráfego antecipadas pela senhora ministra, como também não irá contribuir para fazer face às alterações das frotas de navios que se avizinham à escala global e que, precisamente, reclamam a reconversão dos portos para terminais de águas profundas", conclui a ACP, em comunicado.

 

O estudo promovido pela ACP concluiu, em primeiro lugar, que os portos portugueses "só conseguem ser competitivos à escala internacional caso haja uma aposta sólida na melhoria das acessibilidades aos principais portos nacionais – Leixões, Lisboa e Sines – com reforço da sua interconectividade".

Em segundo lugar, "mas decorrente dessa premissa", defende que "não há necessidade urgente de construir novas infra-estruturas portuárias marítimas para dar resposta aos aumentos previsíveis da procura".

Verifica-se, sim, considera o mesmo estudo, "a necessidade de se realizar investimentos pontuais nos dois portos que são, actualmente, os mais relevantes para o sistema portuário nacional: o porto de Leixões, como grande entreposto de exportação e com forte ligação ao tecido económico regional e que se encontra no limite da capacidade; e o Porto de Sines, uma plataforma com posição privilegiada no apoio à logística das grandes rotas internacionais".

Ou seja, remata o estudo, "por muito que a economia portuguesa venha a crescer nos próximos anos, não haverá ‘hinterland’ [área de influência] que justifique a construção de novos portos de mar, muito menos em Lisboa, cujo porto ainda está longe de atingir a capacidade instalada".



(Notícia actualizada às 15:42)



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


A geração rasca… de esquerda

A MALTA DA ESQUERDA É COMPOSTA POR DOIS GRUPOS:

1 - Os LADRÕES (Inclui os FP e CGA): que andam a encher os bolsos à custa dos portugueses;

2 - Os BURROS: que ajudam os anteriores a roubar o povo, em nome da ideologia.

comentários mais recentes
Cláudio Carneiro Há 3 semanas

Sobre o interesse dos privados no projecto, a ACP considera-o um “argumento falacioso, tendo em conta que interesses desta natureza dependerão, sempre, das condições oferecidas pelo Estado”. E elenca condicionantes que os potenciais investidores não deixarão de considerar:

“– do lado oposto do Rio Tejo existe já um outro terminal a funcionar, com capacidade instalada excedentária que, seguramente utilizará como instrumento numa estratégia concorrencial agressiva;

Continua a ler - http://olharsinesnofuturo.criarforum.com.pt/f3-economia-real-politica

Anónimo Há 3 semanas


A geração rasca… de esquerda

A MALTA DA ESQUERDA É COMPOSTA POR DOIS GRUPOS:

1 - Os LADRÕES (Inclui os FP e CGA): que andam a encher os bolsos à custa dos portugueses;

2 - Os BURROS: que ajudam os anteriores a roubar o povo, em nome da ideologia.

pub
pub
pub
pub