Turismo & Lazer Porto de Lisboa é candidato a receber o Seatrade Cruise Med em 2018

Porto de Lisboa é candidato a receber o Seatrade Cruise Med em 2018

O porto da capital é um dos candidatos a receber dentro de dois anos um dos maiores eventos na área de cruzeiros, que envolve entre quatro e cinco mil participantes. A decisão será conhecida em Março de 2017.
Porto de Lisboa é candidato a receber o Seatrade Cruise Med em 2018
Bloomberg
Negócios 03 de Novembro de 2016 às 13:44
A Administração do Porto de Lisboa (APL) apresentou uma candidatura à organização, em 2018, da Seatrade Cruise Med, uma das mais importantes feiras internacionais na área dos cruzeiros.

O anúncio foi feito por Lídia Sequeira, presidente da APL, e, de acordo com os sites especializados na área dos transportes, a candidatura foi reforçada com cartas de conforto da ministra do Mar, do presidente da Câmara Municipal de Lisboa, do presidente do Turismo de Portugal e do presidente da Associação de Turismo de Lisboa.

A Seatrade Cruise Med realiza-se de dois em dois anos, durante três dias, focado naquele que é o segundo destino mundial dos cruzeiros, o Mediterrâneo.

Apenas em Março do próximo ano se saberá se o porto da capital será seleccionado para receber esta feira, que envolve cerca de 200 expositores, entre os quais algumas das maiores companhias de cruzeiros do mundo, e cerca de quatro a cinco mil participantes, incluindo armadores e representantes de autoridades portuárias.

De acordo com dados da APL, nos primeiros nove meses do ano houve mais 4% de escalas de navios de cruzeiro no porto de Lisboa face ao mesmo período de 2015, totalizando as 223.

Já o número de passageiros de cruzeiros registava até Setembro uma diminuição de 1% em termos homólogos, para 361 mil pessoas.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub